Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO


Domingo, 18.02.18

Liga NOS, 23.ª jornada - FC Porto 5-0 Rio Ave FC - Factura

FCPRAFC.jpg

Desde que José Mourinho a proferiu, na ressaca da derrota na Supertaça Europeia de 2003, que esta frase se tornou numa máxima: os próximos pagam. Calhou então ao Rio Ave a indesejável fava de ter que assumir a despesa do desastre portista no jogo anterior. O valor da factura a pagar pelos vila-condenses começou a crescer ainda não tinham passado 90 segundos. Maxi Pereira e Brahimi trabalharam na esquerda, o argelino cruzou, Soares assistiu Sérgio Oliveira por mero acaso, e o médio disparou rasteiro e colocado, de fora da área, para o primeiro golo do FC Porto. Ao minuto 14 os dragões voltaram a criar perigo, num livre de Brahimi à trave, e aos 22 Soares, elevando-se no centro da área, cabeceou para o 2-0. Tinha decorrido apenas um quarto do jogo e decerto já poucos se recordavam do que acontecera poucos dias atrás. Muito menos quando com 34 minutos um cruzamento de Marega foi desviado por Marcelo para a própria baliza. O Rio Ave aproximava-se pouco da baliza portista e quando o fazia não conseguia mais que rematar de longe, sem perigo.
A defender as redes do FC Porto estava Casillas, que não era titular na I Liga desde a jornada 8. Salta de imediato à memória a situação de Fabiano após os célebres 6-1 sofridos frente ao Bayern Munique em 2015. Aqui, uma nova titularidade de José Sá tanto podia ser vista como um voto de confiança, ou como um risco; jogando Casillas, ou Sá está a ser resguardado, ou então também lhe calhou uma factura da derrota de quarta-feira. De qualquer forma, também essa questão se tornou secundária face ao volume a que o resultado cedo chegou. O Rio Ave apenas criou relativo perigo no início da segunda parte, em dois remates de João Novais que obrigaram Casillas a defesas atentas. O FC Porto mantinha-se motivado e chegaria ao quarto golo ao minuto 72, com Marega a marcar de cabeça, na sequência de um livre lateral de Alex Telles. O resultado final fixou-se já na recta final (84'). Soares desviou à boca da baliza após jogada confusa, mas o tento só foi confirmado pelo vídeo-árbitro, que reverteu a decisão inicial de fora-de-jogo.
Dizem os entendidos que o melhor para esquecer um desaire é que o jogo seguinte não demore a chegar. Talvez não se pedisse tanto, mas o FC Porto acabou por regressar à eficácia que até agora tem sido hábito nesta edição da Liga NOS. Este jogo teve outros lances prometedores, mas quando se marcam cinco golos, mais não se pode exigir. A partida marcou ainda a estreia do lateral direito Diogo Dalot no campeonato (74').

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 21:20

Quarta-feira, 14.02.18

Liga dos Campeões, oitavos-de-final, 1.ª mão - FC Porto 0-5 Liverpool FC - Colete de forças

FCPLFC.jpg

Antes do jogo, Sérgio Conceição alertou para os diferentes graus de exigência que as duas equipas encontram semana após semana nas suas lides domésticas. Trocando por miúdos, o treinador quis dizer o óbvio, que o Liverpool tem um plantel bem mais apetrechado que o do FC Porto. Tanto, que ao soar do apito final - antes disso, até - os dragões ficaram a sentir o mesmo que sentem os emblemas mais modestos da I Liga quando um dos ditos grandes sai de sua casa com um resultado idêntico a este. A naturalidade com que se chegou aos números finais é ainda pior que o resultado em si. E os primeiros minutos até nem apontavam no sentido de um descalabro. Mesmo que não estivesse em modo aventureiro, o FC Porto esteve perto do golo ao minuto 10, num remate de Otávio que saiu pouco por cima, e para canto. Talvez porque o Dragão é reconhecidamente um local respeitável e muito boa gente já aqui tombou, o Liverpool ia jogando ele próprio com cuidado, mas quando foi à área não se ficou pelas ameaças. À mão, José Sá repôs mal a bola e Milner recuperou-a, lançando então Sadio Mané, que rematou para Sá ser muito mal batido (25'). Mal refeito do choque, quatro minutos mais tarde o FC Porto viu o ressalto de um remate de Milner ao poste cair em Salah, com o egípcio a prosseguir fintando Sá com o pé e com a cabeça antes de encostar para golo. O resultado era duro mas não apocalíptico, e esteve a um passo de ser encurtado quando Soares encontrou espaço em frente à baliza e rematou forte (44'), mas o disparo passou centímetros ao lado do poste.
Pressentindo uma reentrada determinada dos dragões, o Liverpool baixou o bloco, convidando o adversário a visitar terrenos mais avançados. O FC Porto assim fez, mas assim que os reds conseguiram lançar um contra-ataque só pararam no golo (53'), por Mané após defesa incompleta de José Sá a um primeiro remate de Firmino. Tornavam-se cristalinas as impressões que ficaram do primeiro tempo: o ataque do FC Porto não fazia pressão na saída de bola, o meio-campo não conseguia obstaculizar a verticalidade do futebol do Liverpool e havia muita indecisão sobre quem devia fazer-se à bola, multiplicando-se assim as descompensações. Isto para quem vê de fora, porque para quem está lá dentro a sensação é de que o adversário está a jogar com quinze. Tendo Soares a meio gás, Brahimi sozinho, Marega esforçado mas inconsequente, Herrera a falhar praticamente todos os passes de ruptura que tentou, Ricardo sem oportunidade de meter velocidade no flanco e José Sá num dia mau, era como se o FC Porto estivesse num colete de forças. Por entre os pingos da chuva foi escapando Corona, que entrou ao intervalo com vontade, mas, face às circunstâncias, não teve correspondência prática no jogo.
Esse terceiro golo funcinou então como a réplica que arrasa o que o sismo deixou de pé, e a oscilante estrutura dos portistas nada pôde fazer para suster as arrancadas que deram o quarto golo a Firmino (70') e o quinto a Mané (85'), que assim fechou o seu hat-trick. À falta de melhor, valeu o sonoro You'll Never Walk Alone entoado pelos 3500 ingleses que vieram ao Porto, e quem estava próximo dos bancos de suplentes ainda pôde ver os óculos de Jürgen Klopp voar num momento em que o técnico do Liverpool se agitou com mais vigor. Conformados, os adeptos com estômago para resistir até final deram o ombro à equipa e despediram-se com aplausos e cânticos de apoio.
O Estádio do Dragão nunca viu nada assim. Na verdade, nem Antas e nem a Constituição viram, pois esta foi tão só a maior derrota caseira de sempre do FC Porto. E agora, é favor os portistas entrarem em pânico. Ainda falta a segunda mão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Domingo, 11.02.18

Liga NOS, 22.ª jornada - GD Chaves 0-4 FC Porto - Créditos

GDCFCP.jpg

A ginástica continua. Na véspera de jogo europeu, entre baixas e opções técnicas Sérgio Conceição voltou a puxar pela cabeça para escalar o onze inicial, introduzindo ainda uma nuance, ao colocar a equipa no esquema predilecto do futebol do século XXI até agora: o 4x2x3x1. Aboubakar nem sequer integrou a lista de convocados para este jogo, naquilo que foi uma óptima oportunidade para Soares continuar a recuperar créditos depois do episódio de insatisfação ao ser substituído na meia-final da Taça da Liga. A prova palpável dessa recuperação surgiu ao fim de 14 minutos, altura em que o ponta-de-lança brasileiro abria as hostilidades, ao concluir com um remate cruzado uma recuperação de bola de Otávio a meio-campo. Sérgio Oliveira foi o responsável pela assistência. Na reacção ao golo sofrido, o Chaves esteve perto de marcar por duas vezes, mas esbarrou num corte atento de Maxi Pereira a Pedro Tiba (16') e numa defesa formidável de José Sá a um míssil de Matheus Pereira (22'). Não havia, portanto, desequilíbrio em campo; só no resultado, pois o minuto 28 trouxe o segundo golo azul-e-branco, novamente por Soares, agora num belíssimo remate de primeira junto à marca de grande penalidade, à meia volta, sem deixar a bola cair, após cruzamento de Maxi Pereira.
O teoricamente difícil tornava-se aqui um pouco mais fácil, mas ainda faltavam jogar muitos minutos. Sendo o Chaves uma das equipas mais elogiadas pela crítica, esperava-se que colocasse dificuldades acrescidas ao FC Porto. E a verdade é que os flavienses jogavam com atitude, mas continuavam a não encontrar uma chave - não resisti à piada fácil - que abrisse a defesa dos dragões. Com efeito, os homens mais adiantados do Chaves recorrentemente avançavam decididos até ao último terço do relvado, onde ficavam sem ideias. Não havendo até ao intervalo um golo transmontano que reavivasse a discussão, a partida ficava com poucos caminhos que pudesse percorrer. Dependia muito de quem tivesse a iniciativa de jogo, ou então de quanta iniciativa a equipa em vantagem permitisse ao adversário. O FC Porto não cederia, e chegou ao terceiro golo por intermédio de Marega (57'), que rematou cruzado na sequência de uma boa solicitação de Otávio, de calcanhar. Os ferros foram impedindo o avolumar do marcador em lances de Soares (59') e Waris (65'), mas nada pôde deter o forte remate de Sérgio Oliveira, que fixou o marcador final já na compensação (90'+1')
Talvez o Chaves não merecesse uma derrota tão robusta, mas o FC Porto não deixou os seus créditos por mãos alheias, retomando assim as lides continentais de cabeça limpa, e na esperança de que também a sua conta bancária seja creditada em função de um bom resultado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 19:30

Quarta-feira, 07.02.18

Taça de Portugal, meias-finais, 1.ª mão - FC Porto 1-0 Sporting CP - Considerações futuras

FCPSCP.jpg

À semelhança do encontro para a Taça da Liga, esta terceira prestação do clássico não foi um bom jogo. Houve pouca acção em frente às balizas, faltou brilhantismo técnico e até o golo foi solitário. Pelo menos para quem vê de fora, é frequente em jogos desta dimensão as equipas optarem por remeter as decisões para considerações futuras. Foi o caso. Até porque em Abril haverá uma segunda mão e nem dragões, nem leões quiseram arriscar-se a lá chegar já fora da discussão. Dos poucos motivos de interesse que sobraram, as melhores - únicas? - oportunidades de golo, novamente em paralelo com os duelos anteriores, ficaram do lado do FC Porto. O primeiro a fazer perigar as redes leoninas foi Sérgio Oliveira (28'), com um livre directo que acertou em cheio no poste, seguindo-se-lhe Soares, que apontou o golo (60') com um forte cabeceamento entre Piccini e Ristovski, e só não repetiu a dose num lance idêntico (65') porque Rui Patrício lhe fez uma majestosa defesa. Herrera teve o golo à sua mercê (31') ao isolar-se perante Patrício, mas precisava de uma perna do comprimento da de um basquetebolista para ter dado o melhor seguimento ao passe picado de Corona. Brahimi também viu as redes, ainda que de ângulo apertado (21'), mas o guardião da selecção nacional fez uma boa mancha.
O Sporting apostou numa defesa de três centrais, ficando Ristovski e Fábio Coentrão com os corredores a seu cargo, mas já em desvantagem Jorge Jesus removeu-os para lançar Rúben Ribeiro (74') e Montero (84') nos seus lugares, inclinando a equipa para a frente. Esse risco quase era premiado em cima dos descontos, quando Ricardo facilitou e deixou que Rúben Ribeiro irrompesse pela área, e com opções de passe. No limite do pânico, Felipe e depois Casillas acabaram por aliviar. O guarda-redes saiu da baliza e foi por pouco que um instante em que paralisou saía caro. O destaque nos leões acabou por recair no inconformismo de Gelson Martins, mas faltou-lhe, de resto tal como a toda a equipa, a referência Dost, que falhou o jogo por lesão. Doumbia não deu o mesmo élan que o holandês. Num jogo em que Felipe se envolveu numa pequena altercação com Fábio Coentrão a propósito de um lançamento (25'), quem acabou expulso foi Acuña (90'+2'), por acumulação.
Ficou até a sensação de que o FC Porto jogou melhor depois de marcar, ainda que essa fase tenha coincidido com o período em que o Sporting se abriu mais. Talvez uma coisa seja consequência da outra. A verdade é que até aí o jogo foi predominantemente equilibrado, por muito que Casillas quase não tenha tido trabalho. A partida ficou ainda marcada pela forma recorrente como o Sporting contrariou o futebol portista através de faltas. Quiçá surpreendentemente, o juiz João Pinheiro fez uma arbitragem bastante positiva. Fica tudo para decidir em Alvalade, então. Felizmente o resultado não foi novamente 0-0.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:55

Sábado, 03.02.18

Liga NOS, 21.ª jornada - FC Porto 3-1 SC Braga - Empurrar com a cabeça

FCPSCB.jpg

O Corte Limpo reclamou, Conceição satisfez: Sérgio Oliveira ascendeu à titularidade e a escolha do técnico mais legitimada ficou quando o médio abriu o activo ao cabo de 13 minutos. O golo surgiu na insistência, após uma primeira jogada em que o guardião bracarense Matheus repeliu um cabeceamento perigoso de Aboubakar. A bola sobrou para o flanco esquerdo portista, onde Brahimi solicitou um cruzamento de Alex Telles que encontraria a cabeça de Sérgio Oliveira, que estava livre de marcação na zona fatal. Concretizava-se aí uma primeira ameaça de Marega (5'), cuja finalização saiu pouco ao lado. Embora pouco expansivo, o Braga nem por isso esteve por baixo do jogo durante a primeira metade, conseguindo também lances prometedores, como aconteceu ao minuto 24 através de um cabeceamento de Paulinho, que ficou pertíssimo do golo. Os guerreiros facturariam em nova bola parada, no caso um canto de Jefferson que o central Raúl Silva desviou no centro da área, com a parte de fora do pé, depois de fugir à marcação de Reyes (31'). Tornava-se claro que ia haver jogo, mas o FC Porto não estava interessado em passar uma noite de sofrimento e respondeu da mesma forma sete minutos mais tarde; Alex Telles bateu um canto e Reyes fez o 2-1 com uma bela cabeçada, mais alto que todos. Matheus bem se esticou, mas em vão.
O jogo esteve longe de ser frenético, mas foi suficientemente movimentado para justificar mais golos de parte a parte. O bom colectivo do Braga não permitia que o FC Porto adormecesse. Ora pela capacidade de furar de Brahimi, ora pela alta rotação de Ricardo, ora pela intensidade de Marega, os azuis-e-brancos iam colocando à prova o último reduto minhoto com regularidade, chegando ao terceiro tento perto do quarto de hora final (73'). Na esquerda, Brahimi segurou a bola no limite junto à linha lateral, trabalha sobre um adversário e mais uma vez entrega a Alex Telles, que entretanto chegara no apoio; o lateral voltou a tirar um bom cruzamento e Aboubakar completou o hat-trick de cabeceamentos do FC Porto esta noite. Só aí o Braga esqueceu a táctica e carregou mais vincadamente sobre a defesa dos dragões. José Sá, que já antes (61') tinha feito uma majestosa defesa à queima-roupa a remate de Paulinho, voltou a brilhar e manteve como final o resultado vigente.
O FC Porto empurrou o empate com o Moreirense não com a barriga, mas com a cabeça. Ao mesmo tempo, marcou o triplo dos golos que obtivera nos três encontros anteriores. Numa altura em que o equilíbrio é grande no topo da classificação, é importante não ceder terreno em jogos consecutivos. Muito mais quando ainda falta reverter a derrota ao intervalo com o Estoril.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:45

Terça-feira, 30.01.18

Liga NOS, 20.ª jornada - Moreirense FC 0-0 FC Porto - Pontinho

MFCFCP.jpg

Nos tempos que correm, se um dos habituais candidatos à vitória final perde pontos, segue-se um ataque aos outros concorrentes através das redes sociais. Essa guerra cibernética - este termo ainda existe? - tem sido tão feroz que até em caso de vitória é difícil resistir a combater o adversário e o que quer que tenha acontecido no seu jogo. Desta vez, contudo, o melhor é o FC Porto nem sequer chegar perto do computador, pois não há muito a que se possa agarrar para minorar este empate. Atabalhoados e sem grandes ideias, os dragões não encontraram forma de tirar do caminho um Moreirense que durante todo o jogo optou por colocar toda a gente atrás da linha da bola, usando o físico em vez da técnica para garantir o desejado pontinho. As estatísticas finais no capítulo ofensivo assim o demonstram.
Sem Danilo Pereira por lesão, o meio-campo portista sentiu dificuldades, não só porque Herrera não consegue dar a mesma solidez, mas também pela presença do estreante Paulinho. Não é que o ex-Portimonense tenha jogado mal, mas ainda precisa de tempo para se integrar melhor nos processos da equipa. Ainda assim, como se explica o jogo pouco conseguido dos dragões? Os alívios sem nexo repetiram-se, bem como os passes para o adversário e os ataques que perdiam gás quanto mais se aproximavam da área contrária. Nem assim o Moreirense procurava abrir-se um pouco, ao ponto de José Sá ter acabado sem qualquer defesa. Na outra baliza Jhonatan correu perigo, mas nas melhores oportunidades os remates saíram para fora. Ou não saíram, como num livre estudado aos 41 minutos, no qual Alex Telles picou a bola sobre a barreira para isolar Brahimi, mas o argelino falhou o tiro, ao melhor estilo de Depoitre. No segundo tempo Soares substituiu Paulinho (67') mas não calibrou a mira, cabeceando muito ao lado quando estava em óptima posição (90'). Antes, o brasileiro acorrera a um cruzamento suculento de Marega (75'), mas tocou apenas de raspão, não desviando sequer a bola do caminho que levava. Ao sexto minuto de compensação, a explosão: golo do FC Porto, pelo também estreante Waris. Os festejos não duraram mais que três segundos, pois tinha sido assinalado fora-de-jogo, transformando a prenda vinda dos céus numa miragem. O nulo era mesmo o destino.
Pouco ou nada criticado até agora, Sérgio Conceição merece hoje dois reparos. Nos moldes em que o jogo estava, porquê tirar o possante Aboubakar para meter o mais ligeiro Waris (74'), ainda para mais tendo o ganês apenas um par de treinos com o plantel? Mais tarde saía Óliver para entrar Sérgio Oliveira (88'), com Conceição a referir na entrevista rápida que meteu o médio português pela sua qualidade de passe. Não poderia ter entrado mais cedo? Uma nota ainda para a decisão do árbitro Luís Ferreira no lance mais perigoso do FC Porto (51'). Alex Telles bate um livre para a barra e na recarga Felipe tenta cabecear mas Rúben Lima tira-lhe a bola com um corte in extremis bem arriscado, à altura da cara. Pé em riste claro, mas foi assinalado canto em vez de livre indirecto.
E assim o FC Porto perdeu mais dois pontos em Moreira de Cónegos, para alegria de todos os que acham que as histórias passadas influenciam os reencontros no futuro. Esta foi a oitava visita dos dragões ao Moreirense para a I Liga, das quais venceu apenas três.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Quarta-feira, 24.01.18

Taça da Liga, meias-finais - Sporting CP 0-0 FC Porto (4-3 g.p.) - Cair de pé

SCPFCP.jpg

Ao fim de 180 minutos, mais descontos, dragões e leões ainda não marcaram golos entre si. Pensando que ainda faltam mais três encontros esta época e que ambas as equipas permanecem invictas nas provas internas, teme-se uma maratona de empates. Neste fascículo dedicado à Taça da Liga, o peso histórico de Sporting e FC Porto nunca terem ganho a prova poderia funcionar como rastilho para um bom jogo; mas não. Talvez porque a arbitragem de Nuno Almeida não ajudou. Se o jogo já estava soluçante pela forma como uma equipa não dava um metro de espaço à outra, pior ficava com o juiz algarvio, muito interventivo, a interromper incessantemente. Os momentos de futebol escorreito escasseavam, até que ao minuto 36 se gritou golo do FC Porto, numa jogada em progressão, a três toques, entre Brahimi, Sérgio Oliveira e Soares, que se desmarcou e finalizou com sucesso. Segundos depois, o vídeo-árbitro decreta fora de jogo e a partida regressou ao ponto morto.
Nos poucos momentos de perigo que restaram, o lance mais gritante terá sido o cabeceamento de Coates ao poste (64'); o ressalto foi ter directo às mãos de Casillas no meio da baliza. Já o FC Porto obrigou Rui Patrício a algumas defesas, nenhuma em oportunidades flagrantes. Como o único antídoto para jogos bloqueados não valeu e as equipas não encontraram outro, não houve meio de escapar à decisão por grandes penalidades, com as quais o FC Porto não costuma dar-se bem. Deveras. Com os dragões a cobrar primeiro, tanto Alex Telles e Marcano como Dost e Bruno Fernandes não desperdiçaram, mas à terceira Patrício defendeu Herrera. Na quarta penalidade, o estreante Waris converteu e Coates parou em Casillas. Patrício respondeu detendo Aboubakar, mas Casillas voltou a sobressair ao negar William Carvalho. Na morte súbita Brahimi colocou tanto que bateu no poste, antes de Bryan Ruiz converter para deixar o FC Porto fora da discussão da Taça da Liga pela 11.ª vez.
O jogo ficou ainda marcado pelas saídas por lesão de Danilo Pereira (11') e do sportinguista Gelson (43'), e por um lance na área entre o mesmo Danilo e Dost (5'), no qual ambos se embrulharam e caíram. O internacional português terá cometido grande penalidade. Com tanto apito que se seguiu, não se percebe como este lance não foi sancionado. O FC Porto acaba por cair tão de pé quanto o Sporting cairia se tivesse perdido. Caindo só no desempate, subsiste a dúvida: terão os dragões cumprido os requisitos mínimos para a Taça da Liga? Haverá sequer requisitos para esta competição?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Sexta-feira, 19.01.18

Liga NOS, 19.ª jornada - FC Porto 1-0 CD Tondela - Goleada mínima

FCPCDT.jpg

A margem mínima com que o jogo terminou é enganadora face às incidências do jogo, e assenta num pilar chamado Cláudio Ramos. O guarda-redes do Tondela foi o homem do jogo, e quando assim é fica à vista que as operações atacantes foram responsabilidade da outra equipa. Ainda assim, o FC Porto apenas marcou num erro horrível do central tondelense Sulley, que após receber um passe do seu guarda-redes lateralizou para o outro central; só que a meio dos vinte metros que separavam Sulley de Ricardo Costa estava Marega, que se intrometeu, aproximou-se da baliza e colocou para o golo (13'). É tentador pensar que o jogo teria sido diferente sem esse momento de desacerto, até porque Cláudio Ramos só não agarrou aquilo que não foi à baliza, com uma excepção: o cabeceamento de Aboubakar ao poste em canto de Alex Telles (31') - é a nona vez esta temporada que as palavras "canto de Alex Telles" são escritas no Corte Limpo, sinal de que com o lateral brasileiro esse tipo de lance a favor do FC Porto ganhou uma nova dimensão. O minuto 65 trouxe a melhor oportunidade dos dragões, num remate de Felipe, numa insistência junto à pequena área. Cheirava fortemente a golo, mas o tiro do central saiu por cima. Na retina ficou também uma tabelinha entre Danilo Pereira e Corona (36'). Merecia golo, mas a finalização do extremo não foi a melhor.
Tudo o resto se traduziu, como já se disse, numa batalha entre a armada portista e Cláudio Ramos. O Tondela teve um ou outro remate mais perigoso, pelo inconformado Tomané, a quem faltou acerto. Marega ainda festejou o 2-0 (75'), mas o vídeo-árbitro anulou o golo por fora-de-jogo. Na resposta, o maliano isolou-se e contornou Ramos, mas não iria além da malha lateral. A fechar (90'+3'), Hernâni tentou mais um remate de longe, mas o guarda-redes dos beirões fez questão de fechar a sua actuação com mais uma candidata a defesa da noite. No fundo, o jogo não foi muito diferente do da época passada, mas nesse dia os azuis-e-brancos apontaram quatro golos. Desta vez, o escasso resultado decerto fará com que a história continue a realçar que o Tondela é dos adversários mais problemáticos para o FC Porto.
Tendo perdido a liderança em virtude da não-conclusão da partida com o Estoril, os dragões aproveitaram da melhor maneira o empate do Sporting no jogo que terminou minutos antes de este começar e reassumiram o comando da classificação. Uma nota ainda para Ricardo Costa. A qualidade da exibição do ex-portista torna obrigatório questionar o porquê de não estar neste FC Porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:55

Segunda-feira, 15.01.18

Liga NOS, 18.ª jornada - GD Estoril Praia-FC Porto (1-0, jogo suspenso)

GDEPFCP.jpg

A jornada de futebol parou durante o intervalo, quando uma parte da bancada norte do António Coimbra da Mota cedeu, causando um enorme susto. Num ápice, os adeptos que a preenchiam passaram a estar espalhados entre o relvado, as outras bancadas e a zona circundante do estádio, por onde tentavam voltar a entrar. Alguns ainda voltaram à dita bancada, mas assim que a Protecção Civil conferiu o interior da estrutura o veredicto foi rápido: havia perigo para os espectadores, pelo que o jogo estava suspenso. Felizmente ninguém se aleijou. Para os milhões que estavam nesse momento no proverbial conforto do sofá ou na mesa do café, foi como se tivesse falhado a água no duche em pleno ensaboamento. Em campo o Estoril estava em vantagem (16'), fruto de um livre lateral que Eduardo transformou num belo golo. Só o próprio saberá se queria apenas cruzar. Para o FC Porto é como se alguém o tivesse acordado de um pequeno pesadelo, já que se ia assistindo à exibição menos consistente da temporada até agora por parte dos dragões. Ainda assim, registaram-se duas oportunidades claras em resposta ao golo sofrido. Numa jogada envolvente Aboubakar apareceu na pequena área com o golo à espera de ser feito, mas o guarda-redes Renan Ribeiro estava no caminho (24'); em cima do intervalo Marega e Reyes estorvaram-se mutuamente para cabecear um canto de Alex Telles e a bola saiu à barra. Antes (44'), o estorilista Kyriakou falhou por pouco num remate de ressaca. Até que se jogue, ou não, o tempo que falta, as palavras "e menos um jogo" andarão de mãos dadas com dragões e canarinhos quando se olhar para a classificação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:30

Quinta-feira, 11.01.18

Taça de Portugal, quartos-de-final - Moreirense FC 1-2 FC Porto - Sem demora

MFCFCP.jpg

As frequentes perdas de pontos, bem como a eliminação da Taça da Liga na época passada, dizem que Moreira de Cónegos não é terreno fácil para o FC Porto. Excepto se a partida contar para a Taça de Portugal, pois nesse caso são os dragões que levam a melhor, somando agora novo triunfo àquele conseguido na 4.ª eliminatória de 2010/11 (0-1, golo de Falcao aos 73 minutos). Desta vez, o golo do FC Porto não se fez demorar como nesse jogo de há sete anos. Logo ao minuto 8, Herrera isolou-se a caminho da baliza e à saída do guarda-redes tocou para o golo. À passagem do minuto 20, uma dupla falha defensiva resultou no segundo golo azul-e-branco. Alex Telles cruza na esquerda, a bola ia para as mãos do guarda-redes mas o central André Micael tira-a desse caminho, e Rúben Lima tenta aliviar mas coloca em Layún, que remata cruzado em arco para um bom golo. O mexicano, que jogou na cabeça do meio-campo, foi uma das novidades entre os titulares, a par de Hernâni. Novidade foi também a impressão de um cansaço generalizado na equipa do FC Porto, nomeadamente nos casos de Brahimi, que saiu ao intervalo após se ter lesionado, e de Soares, que saiu já perto do fim depois de jogar vários minutos queixoso. Marega aqueceu e esteve para entrar, mas também não estava nas melhores condições. É o preço a pagar quando se permanece nas várias frentes, claro, mas também um sinal mais visível do curto plantel de que o FC Porto dispõe neste momento.
A verdade é que após o segundo golo o FC Porto relaxou imenso, ao ponto de se assemelhar a um computador em ecrã de bloqueio. Ou seja, ligado mas a precisar que alguém mexa o rato. O cronómetro contou longos minutos até bater nos 73, momento em que o estreante Edno foi mais rápido que Marcano e cabeceou para o 1-2 a cruzamento de Tozé na esquerda. O computador do FC Porto voltou aí à vida, com Soares a perder dois lances claros (80 e 84 minutos), primeiro num desvio muito por cima, em boa posição, após livre lateral de Layún, depois num cabeceamento frontal solicitado por Maxi Pereira. O resultado não voltou a mexer, mas o FC Porto, forçado pelo resultado agora tangencial, teve que mostrar algum músculo. O Moreirense, pouco mais que lutador, terminou com apenas mais um lance claro (29'), no qual Ronaldo Peña esteve cara-a-cara com o golo mas permitiu a Casillas uma boa defesa com as pernas. Na recarga, Zizo rematou pouco ao lado.
A passagem portista às meias-finais da Taça de Portugal confirma que serão mesmo quatro os jogos entre FC Porto e Sporting até final da época, já que dragões e leões também se vão encontrar na Taça da Liga, além do campeonato.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:50



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728