Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO



Terça-feira, 20.10.15

Liga dos Campeões, grupo G – FC Porto 2-0 Maccabi Telavive – Parecia campeonato

Quando um determinado jogo de menor importância – um amigável, ou mesmo uma partida da Taça da Liga – supera as expectativas em termos de emoção e entrega dos atletas, diz-se que “parecia de campeonato”. O dito aplica-se na perfeição a esta recepção ao Maccabi Telavive. Não porque tenha sido um jogo de fina água, mas sim pelo inverso: foi uma noite de Champions com o travo por vezes sensaborão da I Liga portuguesa.

Se por um lado o FC Porto assumiu as despesas do jogo desde cedo, por outro não o fez com a determinação que seria de esperar. Não fosse o ritmo baixo e a falta de jogadas ao primeiro toque, o resultado poderia ter crescido para outros números. O pouco ímpeto dos da casa impossiblitava a criação de desequilíbrios no esquema predominantemente defensivo do Maccabi, que pareceu saber ao que vinha e trouxe a lição bem estudada. Ora Ben Haim II, ora Zahavi - os homens mais avançados do campeão israelita - levavam a bola até ao meio-campo portista e procuravam segurá-la, dando tempo para o resto da equipa subir no terreno. Ben Haim II apostou algumas vezes no lance individual, mas a defensiva azul-e-branca levou sempre a melhor.

Mais individualista só mesmo Brahimi. Estaria a jogar só com o coração e não com a cabeça? Foram poucas as vezes em que o argelino procurou a tabelinha com um colega, preferindo antes a já conhecida finta seguida de arrancada junto à linha de fundo. Nem sempre teve sucesso, e este será, porventura, outro dos aspectos que fez com que o FC Porto não conseguisse romper mais vezes a cortina do Maccabi.

Com o adversário retraído à espera do contra-ataque e o FC Porto a cozinhar jogadas quase em banho-maria parecia, então, um jogo de campeonato. E tal como normalmente acontece na Liga NOS, o golo acabou por aparecer (37’), com Layún a cruzar para a cabeça de Aboubakar, que assim voltou aos golos cinco jogos depois. Quatro minutos mais tarde Brahimi fez o 2-0, arrancando para a baliza no limite do fora-de-jogo, após passe de Aboubakar. Um golo que atenua ligeiramente as críticas tecidas no parágrafo anterior.

A segunda parte resume-se à inescapável sensação de que se assistia a um jogo da Liga portuguesa. O FC Porto continuou seguro de si, mas a meio gás, enquanto o Maccabi denotou um quiçá exagerado conformismo. Um corte de Ben Haim I quase dava auto-golo – foi ao poste – e os israelitas rematariam mesmo algumas vezes, mas só uma tentativa foi à baliza, num livre directo de Zahavi a que Casillas se opôs bem, junto ao seu poste esquerdo.

É difícil não ver o Maccabi como o conjunto menos cotado do grupo do FC Porto, mesmo com a areia que Julen Lopetegui normalmente atira para os olhos – “é uma equipa com muito bons jogadores, orientada por um excelente treinador” é uma frase a que costuma recorrer quer se trate do Chelsea ou do Penafiel. Em Israel, crê-se, haverá mais dificuldades. Conseguirá Lopetegui convencer os seus pupilos a fazerem um jogo mais focado?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:30




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031