Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO



Sábado, 21.01.17

Liga NOS, 18.ª jornada – FC Porto 4-2 Rio Ave FC – Com cabeça

Numa partida com seis golos e duas reviravoltas, é no mínimo estranho não se chegar ao final e bradar a quem quiser ouvir que se tratou de um dos grandes jogos da temporada. O Rio Ave cumpriu o prometido e não veio ao Dragão fazer figura de corpo presente nem estacionar o autocarro, enquanto o FC Porto tremeu antes de fazer valer o peso de um Dragão que Nuno Espírito Santo insiste em querer transformar numa fortaleza, mas faltou aquela dose de intensidade que transforma jogos como este em clássicos para a história.

Ainda não se tinha passado muito quando o FC Porto abriu o marcador (18’), num cabeceamento de Felipe, na sequência de um livre lateral batido por Alex Telles. O central estava em fora-de-jogo, mas o carácter milimétrico do adiantamento torna admissível as eventuais dúvidas que o juiz de linha possa ter tido. Poucos minutos mais tarde Diogo Jota poderia ter duplicado a vantagem portista, ao aparecer solto em frente ao golo, mas o seu remate bateu com estrondo na trave, gorando-se assim a oportunidade. Com o Rio Ave a procurar estender o seu jogo, e sendo orientado por Luís Castro, técnico que iniciou a temporada ao comando do FC Porto B, decerto que os vila-condenses conheciam alguns segredos dos dragões. Aproveitando um certo conformismo do adversário, o Rio Ave equilibrou o jogo, mas chegaria ao empate num golpe de sorte (35’). Pressionado por Layún junto à lateral, Gil Dias tirou um cruzamento paradoxal; foi tão mau que acabou por sair muito chegado à baliza, apanhando todos desprevenidos. Casillas só conseguiu defender para a frente, onde apareceu Guedes para encostar.

Um potencial escândalo pareceu possível ao minuto 49, quando Roderick converteu com sucesso uma grande penalidade cometida por Layún sobre o mesmo Gil Dias – de regresso após lesão, o mexicano esteve particularmente desastrado, sendo substituído aos 56 minutos, já amarelado, talvez para evitar uma expulsão. O FC Porto não demoraria muito a anular a desvantagem. Corria o minuto 55 quando Marcano, também de cabeça, igualmente após livre lateral de Alex Telles, fez o 2-2. Rui Pedro já estava pronto para entrar e o golo não fez Nuno mudar de ideias; o avançado foi mesmo a jogo, para o lugar de Layún. A reviravolta também não se fez esperar (62’), coroando a melhor fase do FC Porto no jogo. Novamente num livre lateral, Alex Telles completou um hat-trick de assistências graças ao cabeceamento de Danilo Pereira – um dos melhores em campo – junto à pequena área. O Rio Ave não desistiu de tentar novo empate, mas já não conseguiu ser tão expansivo como anteriormente, e veria mesmo o FC Porto chegar aos dois golos de vantagem (88’), por Rui Pedro. Era o póquer portista em cabeceamentos, apesar de o gesto do avançado não ter sido o melhor.

Confirmando a tendência geral no campeonato, enquanto visitado o FC Porto voltou a fazer das fraquezas forças, ainda para mais perante um adversário que justificou plenamente os dois golos que leva para casa. Ainda assim, é bom manter as cautelas; o FC Porto venceu mas não deslumbrou, e ainda não mostrou consistência suficiente para fazer crer que não estará mais um empate ao virar da esquina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 20:00




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031