Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário



Sábado, 17.01.15

I Liga, 17.ª jornada – FC Penafiel 1-3 FC Porto – Começar do zero

Tal como na época passada, em que se cruzaram na Taça da Liga, Penafiel e FC Porto voltaram a defrontar-se numa noite de mau tempo. A chuva desta vez não obrigou à interrupção do jogo, como acontecera há um ano, mas foi de novo inclemente ao longo de toda a partida.

Perante um relvado cada vez menos adequado para a prática do futebol, os jogadores tiveram que ser bravos para cumprir a sua missão, mas diga-se que também os adeptos das duas equipas o foram. É verdade que o Estádio 25 de Abril é um recinto pequeno, mas as bancadas estavam bem compostas, numa noite que não convidava a saídas. Antes pelo contrário.

Quanto ao jogo, até ao golo de Herrera não houve momentos dignos de nota, pelo que se pode dizer que o FC Porto construiu a vitória praticamente do zero. Uma ida à baliza, um golo, e à segunda tentativa, novo golo, agora por Jackson Martínez. Iam decorridos pouco mais de trinta minutos. Os lances deixaram dúvidas quanto à existência de fora-de-jogo. Em ambos os casos fica a ideia de os jogadores estarem em linha, se bem que no primeiro lance a colocação da câmara não fosse a melhor para aferir da legalidade da desmarcação de Casemiro.

No reatamento o Penafiel deu um ar de sua graça, e chegou mesmo ao golo, pelo ex-portista Rabiola, aproveitando uma atrapalhação defensiva entre Maicon e Casemiro no lamaçal em que se tinha tornado a grande área.

Lutadores, os durienses equilibraram a partida, mas seria momentâneo, uma vez que os dragões voltariam a colocar dois golos de diferença no resultado no primeiro remate que fizeram no segundo tempo. A jogada foi também ela confusa, e incluiu nova atrapalhação de Casemiro, agora com Herrera, na tentativa de evitar que a bola saísse pela linha de fundo. Não saiu, e chegaria aos pés de Óliver, que só teve que encostar, acabando de vez com o jogo.

O relvado não permitia muito mais, de tão empapado e enlameado que estava. É o inverno em todo o seu esplendor. Não se culpe o clube pequeno por não conseguir gastar fortunas para ter um relvado de luxo. Situações destas já aconteceram quer no Dragão, quer na Luz. Quem paga os rigores de São Pedro é o espectáculo.

E assim o FC Porto conclui a sua primeira volta da Liga 2014/15. Pena que na próxima semana não recomece do zero, mas sim do -6. Bastaria que não tivesse empatado aqueles três jogos seguidos entre as quarta e sexta jornadas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031