Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO



Domingo, 06.05.18

Liga NOS, 33.ª jornada - FC Porto 2-1 CD Feirense - A luta continua

FCPCDF.jpg

O grito por que os portistas tanto ansiavam soltara-se na noite anterior, assim que o nulo no clássico lisboeta enviou o título de campeão para a Invicta, pelo que foi em clima de festa que o FC Porto viveu a sua última jornada caseira da época. Havia, no entanto, uma partida para disputar frente a um Feirense que ainda não tem a vida resolvida, pelo que era importante o FC Porto não se colocar a jeito de ser acusado de influir na verdade desportiva da luta pela manutenção. De resto, e até porque não era certo que o título se decidisse nesta jornada, o FC Porto decerto preparou o jogo como se fosse apenas mais um, e subiu ao relvado sem poupanças no onze. Numa frase, foi com grande dose de profissionalismo que os dragões encararam o jogo.
Além disso, convém não esquecer de que no campeonato, quando se trata dos ditos grandes, a luta é sempre até ao fim. E foi esse o caso. Muito mais quando Crivellaro aproveitou o adiantamento de Casillas e tentou um chapéu desde o meio-campo, levando a bola a embater na trave (16'). O FC Porto estava por cima praticamente desde o apito inicial, mas o Feirense não deixava de procurar o ataque, contribuindo assim para um jogo mexido. Nenhuma equipa quer estar em campo para fazer parte de uma festa que não é sua, mas, afinal de contas, não é todos os dias que se participa num jogo com esta envolvência, pelo que independentemente da aflição classificativa, era um momento para desfrutar. O Feirense fê-lo até aos 37 minutos, altura em que o FC Porto abriu o activo e reavivou o espectro da despromoção que os fogaceiros ainda não descartaram. Sérgio Oliveira foi o autor do golo, com um remate forte em frente à baliza, após cruzamento atrasado de Ricardo; o feirense Flávio Ramos aliviou mal e o médio portista dominou de peito antes de rematar. O golo era o coroar da boa exibição dos azuis-e-brancos, que construíram diversas jogadas com princípio, meio e fim, em mais uma prova de que o foco competitivo não esmoreceu. O momento da noite surgiu aos 59 minutos, já com Aboubakar em campo. O camaronês recebeu a bola junto à área, virou-se para a baliza com um belo toque e levantou para Brahimi, que dominou a bola no ar com o pé esquerdo, rodopiou e rematou de primeira com o direito, tirando do caminho com esse movimento o homem que o marcava. Um golaço.
Só aí o FC Porto abrandou ligeiramente o ritmo, mas sem nunca perder o controlo do jogo. Enquanto o público endereçava cânticos aos elementos mais destacados da equipa, a Sérgio Conceição e a Pinto da Costa, os dragões viram Reyes sair por lesão (70') - entrou Óliver Torres, que coincidentalmente já estava pronto para ir a jogo nesse momento - e viram também o Feirense apontar um golo, já ao cair do pano (90'+1'), com José Valencia a aparecer por entre os centrais e a desviar de cabeça, sem espinhas, o cruzamento de Kakuba. Um prémio justo para os fogaceiros, embora o FC Porto tenha feito o suficiente para obter um terceiro golo.
Seguiu-se o prolongamento da festa, primeiro dentro do estádio, com a apresentação um a um dos novos campeões e a entrega do troféu no centro do relvado, depois no exterior, para uma última consagração junto dos adeptos que não assistiram ao jogo ao vivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:55




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031