Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário



Domingo, 27.04.14

Taça da Liga – FC Porto 0-0 SL Benfica (3-4 g.p.) – O bilhete errado da lotaria

sapodesporto

A lotaria andou à roda várias vezes no Dragão. E o FC Porto nunca teve consigo a cautela premiada. Varela e Jackson, em cada extracção, não acertaram sequer na terminação, mantendo a conta do FC Porto a zero.

Seria no sorteio extraordinário – leia-se grandes penalidades – que se saberia quem era o destinatário da taluda, e essa sairia aos visitantes, que mesmo sem querer, seguem em frente para a final.

O FC Porto fez alinhar todas as armas, naquela que era a última hipótese de salvaguardar um raio de sol no filme de terror que esta época tem sido; já o Benfica, com atenções centradas nos outros voos em que está envolvido, apresentou uma equipa de segundas linhas.

Ficou a sensação de que o Benfica iria dar de barato este jogo. Não só por começar a queimar tempo desde muito cedo, mas também porque Steven Vitória, enquanto esteve em campo, foi pouco mais que um buraco.

Face à enorme falta de ritmo do central, a auto-estrada estava aberta, e os azuis-e-brancos, com destaque para Herrera, tudo fizeram para colocar a bola na zona fatal, mas o desperdício foi-se repetindo.

A brincadeira acabou por volta da meia hora, quando Vitória foi expulso e Jesus reequilibrou a equipa fazendo entrar Garay. A partir daí não mais o FC Porto incomodou as redes de Oblak.

Com dez os visitantes recuaram, e muito, as suas linhas. A iniciativa foi entregue ao FC Porto, mas a falta de crença resultante dos muitos desaires vividos por uma equipa em perda desde Novembro mais uma vez subiu à tona.

Novamente contra dez elementos, como em Sevilha e na meia-final da Taça de Portugal, o FC Porto não conseguiu mostrar uma pontinha de superioridade que fosse. Não estivesse o Benfica em poupanças – Fabiano foi espectador – e os dragões poderiam ter pago a onerosa factura nos 90 minutos. Pagariam no desempate por grandes penalidades.

Garay acertou na trave, mas Jackson atirou por cima; Fabiano quis ser herói ao defender o remate de André Gomes, mas Oblak imitou-o ao deter o de Maicon; já na morte súbita, Fernando respondeu à conversão de Ivan Cavaleiro com um remate tão colocado que bateu no poste.

Não houve assobios nem contestação no estádio – apenas resignação. Muitos nem ficaram para ver o desempate que confirmaria que 2013/14 é a época mais aziaga do FC Porto nos últimos trinta anos.

Restam dois jogos para o seu final.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:23


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930