Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário



Terça-feira, 19.01.21

Taça da Liga, meias-finais - Sporting CP 2-1 FC Porto - Maldição

SCPFCP.jpgQuando o assunto é Taça da Liga, o FC Porto está sempre em apuros. Tanto pode ser à primeira tentativa, como no último segundo dos descontos; a qualquer momento os dragões caem na areia movediça e desaparecem da competição. Já vão longe os anos em que o clube chutava a questão para canto através de um jocoso desprezo, também já não há desculpa que cole, e nem sequer há explicação suficientemente plausível. Só pode ser uma maldição que alguém lançou. Neste 13.º encontro entre dragões e leões desde 2017/18 inclusive, o FC Porto esteve globalmente melhor, mas na melhor oportunidade de golo de que dispôs (40'), Marega rematou ao poste, na recarga a uma primeira tentativa de João Mário - o do FC Porto, já que havia um em cada equipa. O segundo parcial parecia ir pelo mesmo caminho dos primeiros 45 minutos, com um FC Porto mais escorreito que o Sporting, mas não o suficente para que houvesse algo mais que meias-oportunidades. Do lado dos azuis-e-brancos, apenas Felipe Anderson parecia estar a aproveitar para dar um ar de sua graça, depois de anteriores aparições indistintas. Nem substituições havia, numa tentativa de os técnicos agitarem o jogo. A primeira, efectuada pelos leões, ocorreria apenas ao minuto 69. Até que, corria o minuto 79, o FC Porto consegue desequilibrar o Sporting e lançar um contra-ataque perigoso. Marega conduziu a jogada, teve hipótese de abrir para um colega mas não o fez, e quando alguns já arrancavam cabelos por mais um lance perdido, o maliano colocou para o golo. A finalização foi francamente má, mas a defesa leonina tanto fechou o adversário, como tapou a visão a Adán. Não tendo visto a bola partir, o guardião mais não pôde fazer que assistir ao beijo nas redes. Marega é um jogador estranho, que perde as oportunidades mais claras e marca as mais difíceis, como foi o caso neste encontro. O resto da história pertence a Jovane Cabral. Lançado no jogo aos 77 minutos, o avançado igualou a contenda nove minutos mais tarde, com um remate cruzado, em arco, ao melhor estilo de Luis Díaz. A reviravolta completar-se-ia na hora em que dói mais (90'+4'), na sequência de um contra-ataque. Era o FC Porto quem estava a tentar um último assomo junto à área sportinguista, mas Coates impôs-se e deu para Pedro Gonçalves, que ultrapassou de forma talvez demasiado fácil a linha média contrária, antes de isolar Jovane rumo à glória. Não havia, literalmente, tempo para mais. A desdita portista na Taça da Liga voltou a acontecer no último segundo, tal como na final de 2020 frente ao Braga. Falta saber quem foi que lançou a maldição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31