Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário


Segunda-feira, 09.12.13

Gil Vicente 0 - Sporting 2 - Com confiança

Numa jornada em que tinha a hipótese de se isolar na frente do campeonato, o Sporting não a desperdiçou e veio de Barcelos com os 3 pontos. Foi um bom jogo de parte a parte. O Gil Vicente mostrou que tem uma equipa bem montada, com processos bem trabalhados e bem assimilados e complicou muito a tarefa do Sporting. Pareceu-me procurar algo mais que o empate, e quando assim é, é sempre de louvar. Por seu lado, o Sporting mostrou concentração e atitude, apresentando a receita do costume a nível táctico. Wilson Eduardo voltou ao onze por troca com Carrillo e infelizmente não se mostrou particularmente inspirado. Em contrapartida, André Martins jogou e fez jogar, sendo o elemento chave do meio campo para a frente. Quanto a Montero voltou a marcar os golos que eu gosto mais: os de encostar. Estes golos são sempre bom sinal: querem dizer que a equipa está a criar jogadas de ataque e que o avançado tem faro para o golo, aquela ratice que já não havia no Sporting desde os tempos do melhor Liédson. 

Numa altura em que o Gil Vicente estava a crescer e mostrar ser capaz de chegar ao empate, Peks fez daquelas coisas que deixa qualquer treinador de cabelos em pé: entrou brutamente sobre um adversário a 70 metros da sua baliza e hipotecou as possibilidades da sua equipa discutir o resultado. Depois desse momento, o Sporting chegou naturalmente ao 0-2 e geriu o jogo tranquilamente até ao final. 

Ontem a maior parte dos jogadores esteve em destaque: Patrício (uma bela intervenção a segurar o resultado quando ainda estava 0-1), Cédric & Jefferson (bem a defender, bem a atacar), Maurício & Rojo (sem complicar), William & Adrien (muita entrega), André Martins (encheu o campo), Capel (influente) & Montero (muito bem a tabelar quando descia, mais dois golos plenos de oportunidade).

 

Carrillo, Slimani e Salomão já não vieram a tempo de acrescentar muito ao jogo. Segue-se o Belenenses em Alvalade, uma equipa que esta época já fez mossa ao Porto e que precisa de pontos. É certo que em Agosto ninguém esperava este nível exibicional e esta consistência da equipa do Sporting, mas a cada jogo a surpresa vai-se esbatendo, à medida que o bom futebol continua. Independentemente da classificação final do campeonato, o facto de o Sporting conseguir apresentar este futebol, tão poucos meses depois do descalabro total, é de louvar. 
Uma nota final para as palavras do presidente ontem em Vila do Conde acerca da intenção de não contratar ninguém em Dezembro. Concordo plenamente. Exceptuando 3 casos (Elias, Jeffrén & Labyad) que terão de ser necessariamente resolvidos com a saída dos jogadores, creio que não faz sentido mais ajustes no plantel, dado o curto calendário que espera o Sporting nos próximos meses. Contratar por contratar não faz sentido, e impedir a progressão de alguns dos que já cá estão, também não. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Kirovski às 11:05

Quarta-feira, 04.12.13

Sporting 4 - Paços de Ferreira 0 - Em piloto automático

 

Desta vez a minha habitual crónica chega com um pequeno atraso. Geralmente costumo escreve-la ainda no próprio dia do jogo, "a quente" mas desta vez não foi possível. Primeiro porque estive em Alvalade no domingo, e depois porque o Sapo não me deixou fazer login durante o dia de ontem... mas resolvidos os problemas, é tempo de voltar ao jogo. 

Nas crónicas anteriores muito tenho falado nas mudanças ao nível do futebol, mas no domingo pude aperceber-me de outras mudanças (na minha opinião, para melhor) que ocorreram. No tempo que esperei ao frio, antes do começo do jogo, gostei de ver a aproximação ao sócio que neste momento ocorre: vários passatempos no relvado, prémios & um mestre de cerimónias muito competente. A iniciativa do 12º jogador, em que o vencedor tem a hipótese de aparecer na foto da equipa tirada antes do começo do jogo, é simplesmente excelente. 
Quanto ao jogo, felizmente não há uma grande história para contar. O Paços de Ferreira vinha a Alvalade jogar no erro do adversário, mas cedo sofreu o golo que fez desabar a estratégia. Sem exercer um domínio avassalador ou criar muitas oportunidades, o Sporting foi dominando os acontecimentos e foi com naturalidade que dilatou o resultado na segunda parte. Creio que os momentos de maior emoção ofensiva ocorreram nos últimos 10 minutos, após a entrada de Wilson Eduardo e Slimani (este último em estado de graça entre os adeptos), desejosos de mostrar serviço. Como tenho dito, este foi um jogo muito mais à medida de André Martins, permitindo-lhe ser muito mais influente no jogo da equipa.

 

Destaco Montero (mais dois golos), William Carvalho (um verdadeiro pilar nesta equipa), Adrien (importante até por sair por lesão), Cédric (a responder muito bem à ameaça de Piris), André Martins (finalmente em destaque) & Capel (muita raça e responsável pela maior parte dos ataques da equipa).

 

Como sempre, Carrillo esteve no melhor e no pior. Vai ser um caminho bastante longo até se tornar num jogador verdadeiramente fiável... infelizmente noto que as bancadas já não têm grande paciência. Uma nota final para a entrada de Gérson Magrão, na minha opinião, um bom jogador, com algo para dar à equipa, mas que em condições normais não terá grandes oportunidades para jogar. 
De forma surpreendente, à 11ª jornada, o Sporting vê-se na frente do campeonato, empatado com o Benfica. É um prémio justo para a consistência desta equipa, que tem jogado um futebol positivo, ofensivo, ganhando e convencendo. A diferença para os rivais é óbvia (como se viu nos confrontos directos), mas a forma séria como tem encarado todos os jogos tem sido o verdadeiro factor X. Segue-se o Gil Vicente, uma equipa bem organizada que tem vindo a fazer um campeonato tranquilo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Kirovski às 10:00

Domingo, 15.09.13

Olhanense 0 - Sporting 2 - Não perder o ritmo

Depois de uma paragem para os jogos da selecção o campeonato recomeçou no Estádio do Algarve, esse grande elefante branco, terna lembrança do tempo das vacas gordas em Portugal. Com menos de metade da sua capacidade preenchida, mas ainda assim com uma boa moldura humana (composta sobretudo por Sportinguistas), este estádio foi palco de um jogo bem disputado, entre duas equipas em construção. Confesso que fiquei surpreendido com a boa resposta do Olhanense, que apesar de uma equipa composta maioritariamente por jogadores estrangeiros (o que é de lamentar) apresentou uma grande atitude competitiva e vendeu cara a derrota. O Sporting apresentou-se sem novidades de maior, deixando apenas Rojo de fora por lesão e apresentando Dier no centro da defesa. O inglês cumpriu e rubricou uma exibição tranquila, apesar de alguns calafrios que a defesa do Sporting sofreu durante a partida. Este jogo acabou por ser uma mistura de azar e sorte... azar nas várias oportunidades desperdiçadas na primeira parte (com bons momentos de futebol, quando a equipa se conseguia libertar do colete de forças aplicado pela Olhanense) e sorte no momento em que se colocou em vantagem (desta vez beneficiado por um erro do arbitro auxiliar) e não sofreu golos (em virtude da perdida clamorosa da Olhanense na segunda parte). Creio que o triunfo se justifica plenamente, tendo a equipa do Sporting lutado mais do que o suficiente para trazer os 3 pontos do Algarve. A parte final do jogo teve já pouca intensidade (alguns dos jogadores nucleares tinham estado ao serviço da selecção na semana anterior), mas com o resultado resolvido, ninguém se pode queixar. Uma nota final para a estreia de Vítor, que não veio acrescentar nada ao jogo, mas que mostra que Gerson Magrão perdeu o seu espaço no plantel.
 

A equipa não esteve particularmente inspirada, mas alguns jogadores destacaram-se a espaços. Destaco as exibições de Jefferson (muito regular neste inicio de época, combinou muito bem com Capel nas subidas ao ataque), Adrien Silva (lutou enquanto teve físico), Montero (mais um golo num jogo com poucas oportunidades), André Martins (um golo e uma assistência, num jogo onde nem tudo lhe correu bem), Wilson Eduardo (uma assistência, apesar de ter andado alheado do jogo em alguns momentos).
 

Em alguns momentos houve mais luta do que recorte técnico, muitos passes falhados, alguns erros posicionais, mas no futebol também é preciso haver uma ponta de sorte. A equipa continua em crescimento e é normal que os erros continuem, esperemos que surjam em muito menor quantidade à medida que o tempo for passando. Na próxima semana segue-se o Rio Ave, uma equipa que tem vindo a perder gás, mas que virá com grande vontade de ultrapassar a série de maus resultados. Será um desafio já de média dificuldade para esta equipa do Sporting. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Kirovski às 21:17



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031