Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário


Quarta-feira, 10.02.21

Taça de Portugal, meias-finais, 1.ª mão - SC Braga 1-1 FC Porto - Nervos em franja

BRAFCP TP.jpg

Se as incidências do encontro anterior deixaram o FC Porto com os nervos em franja, que dizer da reedição, três dias mais tarde, agora a contar para a Taça de Portugal? De uma expulsão fizeram-se duas, a arbitragem de critério confuso repetiu-se, e os dragões voltaram a não conseguir segurar o resultado. Desta vez, o FC Porto saltou cedo para o comando (10'), com Taremi a aproveitar uma saída de Matheus para lhe fazer um chapéu. O guarda-redes dos bracarenses quis cortar a bola de cabeça, mas não o fez para o melhor sítio. Talvez tenha estado a ver vídeos de Manuel Neuer. O jogo em si não foi muito diferente do anterior. O Braga foi novamente competente, mas não conseguia chegar ao golo, pelo que se podia dizer que o FC Porto ia controlando os acontecimentos, com maior ou menor dificuldade. O pomo da discórdia surgiu ao minuto 65. Luis Díaz transporta a bola pela esquerda, entra na área e remata. Ao mesmo tempo, o defesa arsenalista David Carmo intrometia-se para cortar, metendo a perna onde Díaz concluía a passada. De forma tão inadvertida quanto inevitável, Díaz calca a perna de Carmo e provoca-lhe uma fractura. Infeliz é a palavra-chave do lance. Após revisão das imagens, o árbitro Luís Godinho entendeu que não havia lugar a quaisquer atenuantes e expulsou o médio do FC Porto. Tendo em conta que não é costume os árbitros darem muitas justificações, o facto de Godinho ter fundamentado a sua decisão tanto a Luis Díaz, como junto de Sérgio Conceição, apenas vem sublinhar o carácter fortuito do lance. Escaldado por incidências que já vinham do penúltimo jogo, o FC Porto pouco se interessou pela justificação e teve dificuldades em acalmar-se. Mais do que na partida do campeonato, aqui os dragões recuaram a sério, na tentativa de levar para a segunda mão esse solitário golo de vantagem. O Braga, mais uma vez, aproveitou a deixa da superioridade numérica para tentar igualar. Face à demorada assistência a David Carmo, houve 12 minutos de compensação. Tempo suficiente para Uribe também ser expulso, na sequência de uma disputa de bola mais acesa com André Horta, que depois o empurra. Ricardo Esgaio juntou-se à festa dando uma peitada em Uribe, que respondeu com um encosto de cabeça. Também aqui o FC Porto ficou com razões de queixa, já que Uribe teve uma punição mais grave que a dos outros intervenientes. Aqui, Luís Godinho já não sentiu necessidade de explicar porque é que entendeu que numa altercação envolvendo elementos das duas equipas - é raro haver um desaguisado entre colegas. Pepe? Loum? -, mostrou cartões de cores diferentes quando os jogadores abusaram em doses iguais. Sobre o final da compensação (90'+12') o Braga conseguiria o golo da igualdade, por Fransérgio, que estava no lugar certo para capitalizar o ressalto de um cabeceamento de Sporar ao poste. Tal como no encontro do campeonato, os guerreiros salvaguardaram o empate nos segundos finais. O FC Porto não se conformou, ao ponto de ter sido o próprio Pinto da Costa a assumir a reacção do clube, na sala de imprensa. Se a memória durar até lá, a segunda mão promete.
A fechar, uma nota para o caricato momento em que a ambulância que transportava David Carmo não conseguia arrancar porque as rodas patinavam na relva molhada. Os jogadores tiveram que ajudar empurrando o veículo, numa imagem que dificilmente voltará a ser vista num estádio perto de si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Domingo, 07.02.21

Liga NOS, 18.ª jornada - SC Braga 2-2 FC Porto - Mudar tudo

BRAFCP LN.jpg

A fé move-se por caminhos misteriosos, dizem. Pois o futebol também. Pelo menos, a avaliar por este encontro, que se desenrolava de forma predominantemente tranquila, até tomar um caminho diferente algures na segunda parte. Até aí, mesmo perante um Braga competente, o FC Porto ia controlando o jogo, escudado, a partir do minuto 36, também pela vantagem no marcador, mercê do golo de Sérgio Oliveira, na conversão de um castigo máximo por agarrão de Tormena a Marega. O segundo golo portista apareceria por intermédio de Taremi (54'), que finalizou bem após boa jogada conduzida por Corona. Ao minuto 60 Corona era expulso por acumulação de cartões amarelos. Nenhum dos cartões mostrados ao mexicano do FC Porto foi consensual. Em ambos os lances, trataram-se de disputas de bola pouco meigas de parte a parte - na primeira delas (4'), o braguista Raul Silva calca mesmo Corona -, pelo que faltam explicações para que a punição disciplinar tenha ocorrido apenas sobre um dos intervenientes nesses lances. Ainda para mais, quando o juiz Artur Soares Dias se mostrava rigoroso, exibindo cartões desde cedo. Certo é que a expulsão mexeu mesmo com o jogo. O FC Porto recuou um pouco e o Braga, naturalmente, ganhou um fôlego extra para tentar relançar a partida. Enquanto Carlos Carvalhal refrescou o ataque arsenalista com as entradas de Sporar (59', segundos antes da expulsão), Gaitán e Piazón (ambos 68'), Sérgio Conceição trocou Luis Díaz por Zaidu (75') e Taremi por João Mário (84'). Inicialmente, Zaidu andou bem avançado no terreno, procurando impedir a saída de bola do Braga, mas depressa o lateral se juntou em efectivo ao bloco defensivo, convidando os guerreiros ao proverbial último assomo. O qual teve grande sucesso. Fransérgio reduziria a desvantagem, a cruzamento de Piazón (87'), e num momento em que o FC Porto já só existia junto à sua baliza, Gaitán apareceu na pequena área a encostar para o empate (90'+4'), após primeira investida mal aliviada pelos dragões. O FC Porto ainda teve um último lance de perigo (90'+7'), num remate de Marega, mas o guarda-redes Matheus não vacilou e segurou a igualdade final. Nem sempre é assim, mas neste jogo uma decisão mudou tudo. Globalmente não foi, decerto, uma das melhores noites de Soares Dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Sábado, 19.09.20

Liga NOS, 1.ª jornada - FC Porto 3-1 SC Braga - Ano novo, vida velha

FCPBRA.jpg

Este primeiro jogo do FC Porto na nova década de futebol foi um caso de ano novo, vida velha. No tocante aos jogadores, já que no resultado os dragões finalmente vergaram o Braga, depois das três derrotas averbadas em 2019/20 frente aos guerreiros. Na ficha de jogo, portanto, Sérgio Conceição não colocou a titular nenhum dos poucos reforços. Garantia de continuidade? Pelo resultado final, de certa forma, sim. No jogo jogado foi mais um FC Porto-Braga de difícil análise, face ao equilíbrio constante entre as duas equipas. O primeiro a tentar romper esse equilíbrio foi o FC Porto, que viu Corona, Marega e Otávio criar uma bela jogada (13'). Deu golo, mas um fora-de-jogo algures no desenrolar do lance invalidou-o. Respondeu o Braga, com uma jogada idêntica, mas sem irregularidades (21'). Ricardo Esgaio cruzou largo desde a direita e do lado contrário Sequeira deu para o meio, onde apareceu o ex-portista Castro para um remate forte e rasteiro que não deu hipótese a Marchesín. No lance seguinte, Abel Ruiz fez o 0-2, mas havia fora-de-jogo. Foi por pouco que o FC Porto não ficou com uma batata a escaldar nas mãos... Certo era que o Braga estava em vantagem e fazia bom uso do seu 3x4x3 para não deixar o FC Porto criar grande perigo. O Braga também não o voltou a criar, e talvez por isso tenha tido uns descontos fatais. O minuto 45'+1' trouxe a igualdade, por Sérgio Oliveira, que cabeceou cruzado após centro de Alex Telles. Pouco depois (45'+3'), o mesmo Alex Telles converteu uma grande penalidade, em mais uma imagem repetida da vida velha da época passada. A falta foi, no mínimo, duvidosa. O reatamento trouxe uma oportunidade flagrante para os guerreiros (49'), mas Ricardo Horta, depois de se colocar na zona frontal, foi traído pela relva e rematou muito por cima quando todos pensavam que ia rematar para golo. E não houve muito mais a contar até final, excepção feita ao terceiro tento portista (89'), novamente de grande penalidade, novamente batida por Alex Telles. A falta, desta vez, foi indiscutível. Foi Taremi que a sofreu, minutos depois de ter entrado em campo (87'). O iraniano foi o segundo dos reforços a ir a jogo, depois de o lateral nigeriano Zaidu ter entrado ao minuto 71. Do lado do Braga, o técnico Carlos Carvalhal bem tentou inclinar a equipa para a frente lançando Schettine, ao mesmo tempo que refrescava ideias metendo também Galeno e André Horta (61'), mas os equilíbrios não se desfizeram. Qualquer análise adicional é, por enquanto, prematura. O Braga parece ter-se reforçado bem, mas não foi tão impositivo em casa do FC Porto como na época passada. Os dragões, em mais um retrato de velhas vidas, aguardam pelo fecho do mercado para saber se entra e/ou sai mais alguém. Até porque os festejos de Alex Telles após os seus golos pareciam de despedida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Sábado, 25.07.20

Liga NOS, 34.ª jornada - SC Braga 2-1 FC Porto

BRAFCP.jpg

Não assisti ao jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Sábado, 25.01.20

Final da Taça da Liga - SC Braga 1-0 FC Porto - No poste

BRAFCP.jpg

Dê por onde der, o FC Porto não consegue ganhar a Taça da Liga. Acontece sempre alguma coisa pelo caminho. Desta vez aconteceu quando o FC Porto já tinha um pé sobre a meta - leia-se minuto 90+5 -, altura em que Ricardo Horta apareceu no lugar certo para aproveitar uma bola desviada pela defesa dos dragões. Não havia mesmo tempo para mais. A partida teve a mesma intensidade do recente encontro do Dragão, mas sem golos e com menos peripécias. Foi, isso sim, um jogo sob o signo dos postes. Nesse capítulo, é difícil entender como pôde Soares acertar na trave quando estava numa posição tão boa (38'). O lance foi muito mais flagrante que o cabeceamento do bracarense Raul Silva, já sobre o final do tempo regulamentar. A partida terminou, literalmente, quando já não se esperava outra coisa que não as grandes penalidades. É a segunda Taça da Liga a entrar no museu do Braga. Uma prova que o FC Porto tanto desprezou, que agora que a quer, ela se transformou num sonho inatingível. Até ao dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Sexta-feira, 17.01.20

Liga NOS, 17.ª jornada - FC Porto 1-2 SC Braga - Má altura

FCPBRA.jpg

As jornadas em que há clássico de Lisboa são sempre de responsabilidade acrescida para o FC Porto, que tem aí uma oportunidade de mexer na diferença pontual para os tradicionais rivais. Daí que seja sempre má altura para tudo o que não seja ganhar. E foi isso que não aconteceu - ao FC Porto, claro - no final de um jogo intenso, com muitos contactos, quase sempre no fio da navalha. O Braga abriu o marcador cedo (5'), por Fransérgio, que aproveitou uma segunda bola para rematar por entre o aglomerado de jogadores em frente à baliza. O lance teve escrutínio no vídeo-árbitro, para aferir se um bracarense em fora-de-jogo interferiu com Marchesín. O FC Porto soube reagir. Na verdade, até nem fez um mau jogo, mas o que fez, mesmo assim não foi suficiente. Ter um Marega trapalhão na hora de definir os ataques não ajudou, mas haverá pior que desperdiçar duas grandes penalidades? Na primeira (44'), Alex Telles viu Matheus defender com os pés; depois foi Soares a atirar ao poste (54'). Que galo. O golo portista chegaria quase por acaso, com Soares, meio aos trambolhões, a desviar um cruzamento de Marega. Assistia-se ao que parecia ser um duelo de titãs. E não é para menos, ou não fosse este um encontro que na história já foi Supertaça, final de Taça de Portugal, de Taça da Liga e de Liga Europa. Na dança das substituições seria o Braga a sair por cima, com a entrada de Galeno (60'), que deu um fôlego extra ao ataque. O resultado foi o segundo golo (75'), com um cabeceamento cruzado de Paulinho, ao primeiro poste, a canto de Sequeira. Só aí Sérgio Conceição mexeu, lançando às feras Luis Díaz (76') e Aboubakar (80'), mas sem grandes efeitos. A última oportunidade do jogo seria mesmo dos guerreiros (88'), num bom contra-ataque que parou na mancha de Marchesín. Foi a primeira vitória do Braga em casa do FC Porto para a Liga desde 2004/05.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Terça-feira, 28.05.19

SC BRAGA 2018/19

BRA - golo.jpg

Os guerreiros do Minho terminaram a Liga na quarta posição pela nona vez nos últimos quinze anos, que correspondem à era António Salvador. É fácil pensar-se que foi uma época de serviços mínimos, mas a verdade é que o Sporting de Braga não só se voltou a imiscuir na corrida pelo título, como também beneficiou, em certos momentos, de uma cobertura mediática mais próxima daquela que é conferida aos três crónicos candidatos. Os bracarenses foram a equipa que se manteve invicta mais tempo (só à 10.ª jornada perderam pela primeira vez), lideraram (jornadas 3 e 6) ou repartiram o comando, e só na 14.ª jornada deixaram de ter acesso directo para a liderança, ao ficar seis pontos abaixo por via de um adverso 6-2 na Luz. O resultado deu nas vistas e a reacção foi veemente, com 19 pontos conquistados em 21 possíveis - vitórias sobre Marítimo (2-0), Boavista (1-0), Nacional (0-3), Santa Clara (1-0), Aves (0-2) e Chaves (2-1) e um empate com o Portimonense (1-1 f). O Braga chegava assim à 21.ª jornada apenas dois pontos atrás do então líder FC Porto, mas não aguentou a pedalada, perdendo de imediato em Alvalade (3-0) e também com o Belenenses, este na Pedreira (0-2).
Falando em Pedreira, os azuis foram uma de apenas três equipas a sair do reduto arsenalista com os três pontos (FC Porto e Benfica foram as outras); e só o Rio Ave aí logrou empatar. Uma performance que não encontrou paralelo nos jogos fora. Terá estado aí a razão de o Braga se ter desvanecido mais cedo do que decerto gostaria. Três dias depois desse desaire em casa, o FC Porto colocou pé e meio no Jamor ao vencer a primeira mão da meia-final por 3-0; uma vez que a desvantagem não seria revertida no jogo de retorno, gorava-se o objectivo Taça, na mesma fase em que tinha ocorrido a saída da Taça da Liga. A própria presença do Braga nessas meias-finais apenas sublinhou a ideia de que o clube subiu um nível em relação aos demais ao fim de década e meia.
O Braga terminaria então com mais um quarto lugar seguro, mas mais longe do topo. E, consequentemente, mais perto de quem vem atrás. Apesar de um final pontuado por derrotas consecutivas com Benfica (1-4), Marítimo (1-0) e Boavista (4-2), dificilmente se poderia pedir mais a uma equipa que na temporada transacta tinha conseguido números ao nível dos ditos grandes. Números esses que seriam suficientes para vencer uma das edições com 18 clubes e três pontos por vitória; e igualar outro dos campeões.
A retrospectiva do 2018/19 bracarense termina como ele começou: com o Braga a despedir-se da Liga Europa logo à terceira pré-eliminatória, nos golos fora, frente aos ucranianos do Zorya Lugansk. A situação trouxe à memória a época 2009/10, na qual os guerreiros caíram na mesma fase, então com o Elfsborg, avançando depois até ao único segundo lugar da sua história. Não ter Europa para disputar é uma faca de dois gumes; há menos motivação, mas também menos desgaste. Desta vez o Braga não aproveitou como há nove anos. Tendo já feito melhor que este ano, mas nunca o suficiente, mantém-se a pergunta: haverá um dia Braga campeão?

 

TREINADOR

BRA - Abel Ferreira.jpgAbel Ferreira - Professor Abel Ferreira, perdão - realizou a sua segunda temporada completa consecutiva como treinador do Braga. Desde Domingos Paciência (2009/10 e 2010/11) que ninguém o conseguia.

 

FIGURA

BRA - Dyego Sousa.jpgDyego Sousa foi o melhor marcador da equipa no campeonato, com 15 golos. Tendo garantido a cidadania portuguesa, o avançado estreou-se mesmo na Selecção, durante as jornadas de Março de qualificação para o Euro 2020.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 12:00

Terça-feira, 02.04.19

Taça de Portugal, meias-finais, 2.ª mão - SC Braga 1-1 FC Porto

BRAFCP TP.jpg

Não assisti ao jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:30

Sábado, 30.03.19

Liga NOS, 27.ª jornada - SC Braga 2-3 FC Porto - À portuguesa

BRAFCP.jpg

Se um triunfo sofrido conseguido nos derradeiros minutos é apelidado de "à italiana", então uma reviravolta igualmente sofrida obtida com duas grandes penalidades só pode ser uma vitória à portuguesa. Ainda com aspirações legítimas em matéria de título, o Braga tinha aqui um dos dois jogos absolutamente cruciais que lhe restam - ainda há uma recepção ao Benfica mais à frente. Na verdade, todos os jogos envolvendo Braga e FC Porto até final o são, já que nenhum dos dois se pode dar ao luxo de perder pontos. E foram os guerreiros a entrar melhor, capitalizando logo na primeira oportunidade do encontro (4'). Dyego Sousa lançou Claudemir pela esquerda e o brasileiro cruzou para Wilson Eduardo empurrar para o golo. Talvez Casillas pudesse ter feito mais - defendido, mesmo -, mas preocupou-se mais em levantar o braço a reclamar fora-de-jogo, perdendo assim uma preciosa fracção de segundo. O lance, de resto, é perfeitamente legal. O golo foi a confirmação de que o FC Porto ia mesmo precisar de trabalhar muito. Talvez por causa desse golo madrugador assistiu-se a uma partida aberta, em que ambos os conjuntos lutaram com afinco, não havendo autocarros nem artimanhas afins. Os dragões igualaram à passagem do minuto 26, quando Soares, à boca da baliza, encostou de cabeça após canto de Corona e desvio de Felipe ao primeiro poste; o bracarense Bruno Viana nem deve conseguir dormir, de tão desnecessário que foi o canto. O arranque do segundo tempo trouxe novo dissabor aos azuis-e-brancos. Desta vez, foi um desentendimento entre Casillas e Éder Militão a deixar Murilo a sós com a baliza (47'). Não havia como não marcar. Estava desequilibrado novamente o marcador, mas em campo o nó mantinha-se. Ambas as equipas continuaram o que estavam a fazer até aí, numa luta de igual para igual. Era impossível prever quem venceria. E seria o juiz Jorge Sousa a chamar a si os restantes desenvolvimentos (69' e 77'). No segundo lance parece claro que Claudemir derruba Fernando Andrade, mas a primeira grande penalidade, entre o mesmo Claudemir e Éder Militão, é muito duvidosa. Alex Telles lesionou-se na conversão de forma tão caricata quanto cómica, num misto de ballet com dança contemporânea. Mais escorreito, Soares também não deu hipótese a Tiago Sá, que teve que se contentar com duas belas defesas noutros momentos. O FC Porto prevaleceria, mas houve jogo até ao fim. Para a história, como sempre, fica o resultado. O Braga aparentemente belisca de forma irremediável a sua corrida. Já o FC Porto volta a fazer a sua parte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Terça-feira, 26.02.19

Taça de Portugal, meias-finais, 1.ª mão - FC Porto 3-0 SC Braga - Encaminhado ao intervalo

FCPBRA.jpg

Em 2008/09 a FPF transformou a meia-final da Taça de Portugal numa eliminatória a duas mãos. Uma vez que é a única fase da prova em que tal acontece, o simples facto de ser assim dá sempre nas vistas. Por muito poética que a teoria possa ser, na prática disputar a antecâmara da final em dois jogos traduz-se num desarranjo de calendário, pois é frequente algum dos intervenientes ainda estar vivo na UEFA. Daí que por vezes a segunda mão seja jogada meses depois da primeira, como é o caso este ano. No momento desta primeira mão, talvez FC Porto e Braga preferissem que não se tivesse jogado agora. Enquanto os dragões estão na véspera de defrontar Benfica e Roma, os guerreiros acabam de derrapar na corrida pelo inédito título de campeão, ao sofrer duas derrotas consecutivas. Só isso poderá explicar que se tenha assistido a um jogo, digamos, entreaberto. Não foi um bocejo, mas também não houve ataque desenfreado. Entre um ou outro lance prometedor de parte a parte, o FC Porto beneficiou de uma grande penalidade (33') a punir uma saída de Marafona sobre Herrera; o guarda-redes quis limpar a soco e terá acertado meio na bola, meio no adversário. Pareceu uma disputa de bola, pelo que a decisão terá sido um tanto ou quanto áspera, mas o juiz manteve-a após longa conferência com o vídeo-árbitro. Quatro minutos depois do apito o castigo foi finalmente convertido, por Alex Telles. O golo não fez o jogo mudar de figura. Nem os treinadores terão querido fazê-lo mudar. Ao ponto de a primeira substituição no Braga (71') ter ocorrido já depois do 2-0, apontado por Soares ao minuto 63 com uma boa finalização a cruzamento de Otávio. Mesmo que nenhuma das equipas tenha mostrado a sua melhor cara, a vantagem portista era justa. Brahimi tornou-a exagerada em cima do apito final (90'+4'), finalizando com um belo remate em arco um trabalho igualmente bom de Óliver. Apesar de estar bem encaminhada para o lado do FC Porto, a eliminatória está apenas no intervalo e a segunda mão está então agendada para o início de Abril. Sabe-se lá em que estado as equipas lá chegarão...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2021

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28

Posts mais comentados