Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário


Terça-feira, 24.11.15

Liga dos Campeões, grupo G – FC Porto 0-2 Dinamo Kiev – Trambolhão

É incrível como o futebol continua a ser uma caixinha de surpresas. Os oitavos-de-final, que estavam à distância de um braço, estão agora do outro lado da mais movimentada auto-estrada que se possa imaginar. O FC Porto só precisava de um ponto. Depois deste trambolhão passa a precisar de um milagre.

É também incrível como as equipas ocasionalmente se esquecem de que a teoria não joga. Mesmo sendo dono de um estádio difícil para os visitantes, nenhum jogo está ganho a priori. O nulo serviria, é verdade, mas trata-se da Liga dos Campeões, meus senhores. Passear camisolas não chega. A postura demasiado relaxada com que o FC Porto se apresentou não só o deixou a jeito, como se costuma dizer, como também facilitou a tarefa do Dinamo Kiev.

Mesmo assim, o Dinamo foi tão cortês que até deixou um aviso. Pouco depois dos vinte minutos Garmash a cabeceou ao poste e Júnior Moraes desperdiçou um golo cantado no ressalto, mas os dragões não se terão assustado o suficiente e à segunda pagaram mesmo. Imbula cometeu grande penalidade ao derrubar Rybalka e Yarmolenko fez o 0-1 (35’).

A ausência de André André do onze inicial carece de explicações, mais ainda quando se notou logo desde os primeiros minutos que sem o internacional português o meio campo do FC Porto, no seu todo, estava menos activo. Agradeceu o Dinamo, que teve praticamente carta branca para subir ao ataque.

A justificação da derrota, porém, não reside apenas na falta de atitude em campo. A verdade é que nada saiu bem aos azuis-e-brancos. Desde as combinações mais simples até aos movimentos mais complexos, os passes ora saíam com força a mais, ou a menos, ou então para um lado quando o colega se movia para o outro. Inversamente, o Dinamo pareceu sempre estar mais bem colocado em campo. Cada corte incompleto foi sempre resolvido, os ucranianos anteciparam-se vezes sem conta, e sempre que tinham a bola o propósito era atacar.

No recomeço Lopetegui fez então entrar André André. Para o lugar de Imbula? Não, para o de Maxi Pereira. Para quê complicar tanto? A equipa até reagiu, mas rapidamente caiu de novo na teia do Dinamo, voltando o jogo ao figurino da primeira parte. Até que Derlis González fez o 0-2 (64’), num lance em que Casillas não fica nada bem visto, defendendo para cima, só com uma mão. A bola descreveu um caprichoso arco que a levou até ao fundo da baliza. Lopetegui processou de imediato uma dupla substituição, lançando Osvaldo e Corona para os lugares de Brahimi e Imbula, mas não se livrou de um coro de assobios.

No fundo, o FC Porto pagou a factura do excessivo relaxamento inicial, combinado com uma noite desligada em que cada um jogou para seu lado. Pior que isso só pensar que das escassas duas oportunidades que os dragões tiveram, uma foi criada pelo Dinamo, num corte infeliz de Rybalka que bateu no poste; o ressalto, invariavelmente, ficou nas mãos do seu guarda-redes. Sobre o apito final, numa insistência, André André rematou forte mas a bola desviou em Dragović e bateu com estrondo na trave.

As contas são agora fáceis de fazer: na última jornada o FC Porto vai a casa do Chelsea – teoricamente o seu jogo mais difícil – enquanto o Dinamo Kiev recebe o Maccabi Telavive – teoricamente o seu jogo mais fácil. O FC Porto ainda lidera o grupo, mas irá do trambolhão à derrocada?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:50

Quarta-feira, 16.09.15

Liga dos Campeões, grupo G – Dinamo Kiev 2-2 FC Porto – Equilíbrio de forças

A Liga dos Campeões está de volta, trazendo mais uma vez consigo estádios cheios e enfeitados com os adereços da competição, e mais olhos a ver um pouco por toda a parte. As luzes da ribalta terão, de novo, ofuscado Lopetegui, que mesmo castigado por via da expulsão em Munique na época passada, não resistiu a uma mexida de fundo, apresentando a equipa no que se assemelhou a um 4-5-1.

Não terá sido por aí que o FC Porto não saiu de Kiev com a vitória, mas a verdade é que os dragões denotaram algumas dificuldades na aplicação da pressão sobre o adversário. Ora havia demasiados jogadores a cair sobre a bola, ora havia espaço a mais. O primeiro aspecto custou um golo. Com a equipa do FC Porto desposicionada sobre a esquerda, um movimento rápido do Dinamo levou a bola até à área, onde Gusev apareceu sozinho para finalizar a contar (20’).

O FC Porto não tremeu e empatou a contenda três minutos volvidos, por Aboubakar. A veia goleadora do camaronês estende-se agora à Europa. Assistido por um cruzamento de Layún, Aboubakar subiu às alturas e cabeceou certeiro. Era tudo o que a equipa precisava para se acalmar, com a referência ofensiva a dizer “presente”.

Apesar de tudo, o jogo teimava em não desbloquear. Um novo buraco na defesa portista deixou Garmash isolado perante a baliza. O médio ucraniano rematou bem, mas Casillas opôs-se com uma notável defesa. André André esteve mais uma vez em alta rotação, Ruben Neves foi novamente competente e Brahimi procurou desequilibrar, mas o Dinamo Kiev não dava sinais de fraqueza.

Até que aos 81 minutos, na sequência de um canto, um mau alívio do guarda-redes Rybka provocou o caos na área dos ucranianos, com a bola a cair em Aboubakar, que disparou cruzado para o seu segundo golo da noite. Um justo prémio para o trabalho do ponta-de-lanca azul-e-branco. Pensava-se que seria o golpe de misericórdia, mas o Dinamo ainda tinha uma palavra a dizer, e chegaria à igualdade aos 89 minutos, num lance ingrato para o árbitro assistente.

Numa segunda vaga de ataque, uma bola aparentemente inofensiva acabou por ser fatal para os dragões. Rybalka colocou de forma desajeitada na área portista, e a bola passou pela zona de acção de Kravets, que estava adiantado e por isso se desviou. Foi o suficiente para que a defesa do FC Porto hesitasse por um segundo, permitindo a Buyalsky, que reagira de pronto, aparecer solto frente a Casillas e fixar o resultado final. O lance é passível de mais que uma interpretação, mas tendo em conta que o adiantamento de Kravets em nada perturbou o guarda-redes, a decisão do árbitro assistente parece acertada.

Por ser tardio, o empate pode deixar um sabor amargo ao FC Porto, mas em última análise será um resultado justo. Só o desenrolar do grupo poderá clarificar se os dois pontos aqui perdidos serão um factor complicativo para as contas do FC Porto. Por enquanto nada está em causa, nem nada diz que a equipa não tem os predicados necessários para passar à fase seguinte.

Na próxima jornada, ainda este mês, o Chelsea visita o Dragão. Antes disso, porém, o FC Porto vive o primeiro momento crucial da temporada, ao receber o Benfica. É já no próximo domingo. Pouco tempo para recuperar da viagem e preparar o jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2021

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31