Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário


Domingo, 29.09.19

Liga NOS, 7.ª jornada - Rio Ave FC 0-1 FC Porto - À chuva

RAFCP.jpg

Na antevisão ao jogo, quando questionado sobre se o Rio Ave-FC Porto da época passada ainda estava na memória, Sérgio Conceição atirou para canto dizendo que já nem se lembrava do que fez nas férias. No entanto, teria sido útil que Conceição se lembrasse quer desse jogo, quer da recente deslocação a Portimão; em ambos os casos o FC Porto desperdiçou vantagens de dois golos. Não havendo memória, a equipa tratou de oferecer um vislumbre dessa visita de Abril último aos Arcos. O FC Porto saltou para a liderança do marcador logo ao minuto 12, com Marega, ao primeiro poste, a cabecear certeiro após canto de Alex Telles, mas o que se seguiu não foi propriamente convincente. De forma gradual, principalmente no segundo tempo, os dragões baixaram o ritmo e a intensidade, permitindo com isso que o Rio Ave crescesse. À passagem do minuto 63 o FC Porto apanharia um valente susto. Lançado por Bruno Moreira, Taremi desfeiteou Marchesín, mas o festejo parou na bandeirola erguida do árbitro assistente. Após longa revisão na Cidade do Futebol, determinou-se que o iraniano estava em fora-de-jogo por 64 centímetros. Foi um sério aviso, que conheceu reacção apenas de bola parada, num livre de Alex Telles que embateu na barra (77'). Em suma, o FC Porto andou à chuva durante boa parte do encontro, mas acabou por não se molhar. Em Portimão a salvação apareceu no último suspiro. Aqui, os salvadores foram esses 64 centímetros. Estrelinha? Talvez, mas de uma luz muito tímida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Quarta-feira, 29.05.19

RIO AVE FC 2018/19

R A - golo.jpg

Mais discreto que noutras temporadas recentes, o Rio Ave repetiu o sétimo lugar final, mas fê-lo a muito custo, pois teve que viver uma série de dez partidas sem vencer (jornadas 9 a 18). Tendo ficado pontualmente longe dos lugares acima, fica a ideia de os vila-condenses terem sido a formação que resistiu melhor aos resultados adversos, ao mesmo tempo que aproveitou da melhor maneira a quebra de uma ou outra equipa que seguiu, nessa fase, mais acima na classificação - nomeadamente o Belenenses. A defesa não esteve particularmente assertiva, ao conceder 52 golos - pior, só em anos de descida de divisão -, mas o ataque bateu o recorde do clube na I Liga; os 50 golos superaram o anterior melhor registo de 44, em 2015/16.
Golos foi o que também não faltou na Taça de Portugal, onde o Rio Ave bateu Torreense (1-5) e Silves (7-0), antes de tombar nos oitavos-de-final, em Alvalade (5-2).
Bruno Moreira foi o artilheiro da equipa na Liga, com nove golos.

 

TREINADORES

R A - José Gomes.jpgJosé Gomes dirigiu os destinos do Rio Ave até à jornada 13, altura em que saiu para o Reading, do Championship inglês.

R A - Augusto Gama (foto vertical).jpg

 

Augusto Gama, mítico médio das equipas dos anos 90, foi técnico interino nas duas jornadas seguintes.

 

R A - Daniel Ramos.jpgO resto da temporada ficou por conta de Daniel Ramos, homem da terra, que tinha deixado o Chaves semanas antes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 12:00

Sexta-feira, 26.04.19

Liga NOS, 31.ª jornada - Rio Ave FC 2-2 FC Porto - Bomba

RAVFCP.jpg

Nas últimas linhas do texto sobre o FC Porto-Benfica escrevi que os dragões continuavam no fio da navalha e que a lâmina fere mais depressa a quem corre atrás do prejuízo. Estava enganado. A luta pelo título não se faz com armas brancas, antes com artilharia. E foi, justamente, uma bomba que rebentou no caminho por onde passava a coluna portista, na forma de um empate potencialmente catastrófico. Até porque o FC Porto tinha passado largos minutos a vencer por dois golos de diferença, fruto de um início de jogo com foco total na tarefa que tinha em mãos. Brahimi abriu o activo ao minuto 18, de cabeça, solicitado por Otávio, antes de Marega duplicar a vantagem (22'), num remate de ressaca que desviou em Junio Rocha. A Liga considerou mesmo auto-golo do lateral rioavista; erradamente, na opinião do Corte Limpo, mas quem somos nós...
Certo é que a intensidade do futebol portista decresceu após o 0-2. O Rio Ave continuou tranquilamente aquilo que já estava a fazer. Tal traduzia-se numa ou noutra investida de parte a parte, mas muito espaçadas no tempo. Até que o FC Porto desligou. Nem o aviso de Filipe Augusto, através de um remate à trave (73'), serviu para que os azuis-e-brancos percebessem que o jogo ainda estava a rolar. O rastilho acender-se-ia ao minuto 85 com o golo de Nuno Santos, que só teve que encostar após assistência de Gelson Dala, e a tal bomba explodiria no final do tempo regulamentar, através de um remate de Ronan, em zona frontal, que desviou em Alex Telles e traiu Casillas - aqui a Liga entendeu não atribuir auto-golo. Quem somos nós...
Já agarrado a tudo quanto eram adereços religiosos, o FC Porto tentou um último esforço, mas em vão. Os dragões pagavam bem caro o adormecimento nesses dez minutos finais e ficam agora dois pontos abaixo do líder. No próximo episódio, as eventuais ondas de choque da explosão. Não percam...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Domingo, 23.12.18

Liga NOS, 14.ª jornada - FC Porto 2-1 Rio Ave FC

FCPRAV.jpg

Não assisti ao jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 22:00

Domingo, 18.02.18

Liga NOS, 23.ª jornada - FC Porto 5-0 Rio Ave FC - Factura

FCPRAFC.jpg

Desde que José Mourinho a proferiu, na ressaca da derrota na Supertaça Europeia de 2003, que esta frase se tornou numa máxima: os próximos pagam. Calhou então ao Rio Ave a indesejável fava de ter que assumir a despesa do desastre portista no jogo anterior. O valor da factura a pagar pelos vila-condenses começou a crescer ainda não tinham passado 90 segundos. Brahimi e Alex Telles trabalharam na esquerda, o argelino cruzou, Soares assistiu Sérgio Oliveira por mero acaso, e o médio disparou rasteiro e colocado, de fora da área, para o primeiro golo do FC Porto. Ao minuto 14 os dragões voltaram a criar perigo, num livre de Brahimi à trave, e aos 22 Soares, elevando-se no centro da área, cabeceou para o 2-0. Tinha decorrido apenas um quarto do jogo e decerto já poucos se recordavam do que acontecera poucos dias atrás. Muito menos quando com 34 minutos um cruzamento de Marega foi desviado por Marcelo para a própria baliza. O Rio Ave aproximava-se pouco da baliza portista e quando o fazia não conseguia mais que rematar de longe, sem perigo.
A defender as redes do FC Porto estava Casillas, que não era titular na I Liga desde a jornada 8. Salta de imediato à memória a situação de Fabiano após os célebres 6-1 sofridos frente ao Bayern Munique em 2015. Aqui, uma nova titularidade de José Sá tanto podia ser vista como um voto de confiança, ou como um risco; jogando Casillas, ou Sá está a ser resguardado, ou então também lhe calhou uma factura da derrota de quarta-feira. De qualquer forma, também essa questão se tornou secundária face ao volume a que o resultado cedo chegou. O Rio Ave apenas criou relativo perigo no início da segunda parte, em dois remates de João Novais que obrigaram Casillas a defesas atentas. O FC Porto mantinha-se motivado e chegaria ao quarto golo ao minuto 72, com Marega a marcar de cabeça, na sequência de um livre lateral de Alex Telles. O resultado final fixou-se já na recta final (84'). Soares desviou à boca da baliza após jogada confusa, mas o tento só foi confirmado pelo vídeo-árbitro, que reverteu a decisão inicial de fora-de-jogo.
Dizem os entendidos que o melhor para esquecer um desaire é que o jogo seguinte não demore a chegar. Talvez não se pedisse tanto, mas o FC Porto acabou por regressar à eficácia que até agora tem sido hábito nesta edição da Liga NOS. Este jogo teve outros lances prometedores, mas quando se marcam cinco golos, mais não se pode exigir. A partida marcou ainda a estreia do lateral direito Diogo Dalot no campeonato (74').

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 21:20

Quinta-feira, 21.12.17

Taça da Liga, fase de grupos - FC Porto 3-0 Rio Ave FC - Pequena goleada

FCPRAFC.jpg

Quando se pensa na Taça da Liga, pelo menos no caso português, pensa-se em gestão com onzes alternativos e jogos pouco entusiasmantes. Principalmente quando está envolvido um dos ditos grandes. Mas não nesta jornada, na qual ficou bem à frente dos olhos o quão reduzido é o plantel do FC Porto. Ao ponto de a única rotação ter ocorrido na baliza, mas quando o contemplado com a titularidade dá pelo nome de Iker Casillas, é crime dizer que é rotação; ter o mítico internacional espanhol no banco é antes um luxo a que o FC Porto se dá. E portanto, como o onze inicial portista era de campeonato, o desenrolar do encontro acabou por também o ser, à conta das inúmeras jogadas de perigo junto à baliza do Rio Ave e do apetite do FC Porto pelo golo. Só na primeira parte houve lances suficientes para um 6-0, que não seria escandaloso. No entanto, apenas por duas vezes os dragões festejaram. Ao minuto 11 Soares abriu o activo com um remate frontal, que castigou uma má reposição do Rio Ave. Nessa mesma jogada, os vilacondenses tinham arriscado sair a jogar uma primeira vez, mas o FC Porto não deixou. A bola voltou ao guarda-redes Cássio, que podia - devia? - ter aliviado para longe, mas preferiu insistir numa saída a jogar, novamente sem sucesso. Brahimi intrometeu-se e deu para Herrera, que assistiu o ponta-de-lança brasileiro. Dez minutos mais tarde, Marega redimiu-se de um falhanço anterior ao recolher um belo passe em profundidade de Brahimi, tirar Cássio do caminho e empurrar para a baliza deserta. Já se via a goleada no horizonte, e as oportunidades foram então mais que muitas, mas o intervalo chegaria sem mais golos a registar. Virando o foco para a equipa do Rio Ave, a sua desarticulação defensiva causou estranheza. Não só nessas más reposições, mas também nos buracos que apareciam de cada vez que o FC Porto se abeirava da área. O Rio Ave não parecia a equipa que tão elogiada tem sido, nesta época como nas anteriores.
A segunda metade abriu com os dragões novamente à procura do golo, mas a fome não durou muito, pelo que ao fim de alguns minutos se assistiu efectivamente a um jogo de Taça da Liga: ritmo médio/baixo, pouca emoção à frente das balizas, o cronómetro a avançar devagarinho e um ou outro tímido bocejo. O despertador, estridente, tocou ao minuto 80, quando Danilo Pereira foi expulso com segundo amarelo por protestar uma falta discutível assinalada contra si. Os adeptos presentes ainda gostaram menos da decisão que o médio, e fizeram ouvir a sua opinião colectiva alto e bom som. Danilo não seria o único a ir ao banho mais cedo, pois o seu homólogo vilacondense Pelé viu cartão vermelho directo (90') por rasteirar Aboubakar quando este seguia isolado para a baliza. Nas imagens, o derrube acontece a meio metro da área, mas à primeira vista é penálti de caras. O camaronês mais uma vez não desperdiça na conversão, oferecendo ao marcador um colorido mais consentâneo com as incidências.
Falando em cor, aproveito o remate do texto para uma menção ao último grito da moda desportiva: mexer nos emblemas dos clubes. No caso portista, os equipamentos alternativos - que hoje até nem foram utilizados - não ostentam o escudo do clube, apenas os seus contornos, sem qualquer cor. No caso do Rio Ave, a sua camisola amarela e vermelha não só dificulta a identificação do clube, como tem no lado esquerdo do peito uma versão esturricada do emblema. Na minha humilde opinião, um emblema é - ou deveria ser - como a bandeira vigente de um país: imutável. Ou alguém aceitaria que no próximo Mundial trouxessem a bandeira portuguesa a preto-e-branco e só com os contornos da esfera armilar e das quinas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Domingo, 17.09.17

Liga NOS, 6.ª jornada - Rio Ave FC 1-2 FC Porto

RAFCFCP.jpg

Não assisti ao jogo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 20:30

Quinta-feira, 01.06.17

RIO AVE FC 2016/17

Para um clube da dimensão do Rio Ave, o sucesso tem um preço. Apurado pela segunda vez para a Liga Europa, o clube de Vila do Conde voltou a ter que acelerar a construção do plantel e os trabalhos de pré-temporada, já que o primeiro jogo oficial estava marcado para 28 de Julho. Só faltou a acumulação de jogos, que os clubes desejam, mas depois usam como desculpa quando faltam resultados positivos. O Rio Ave foi então eliminado pelo Slavia Praga nos golos fora, logo nessa 3.ª pré-eliminatória, ao cabo de dois empates. Não conseguindo prolongar a presença internacional da mesma forma que em 2014/15, o Rio Ave apontou então baterias a novo apuramento europeu, mas os altos e baixos que foi vivendo acabaram por ser um obstáculo. Por muito respeitável que o sétimo lugar final seja, ficou a faltar um pontinho apenas para o acesso à UEFA.

Uma coisa não mudou em relação à temporada transacta: o Rio Ave voltou a praticar bom futebol. Principalmente quando Luís Castro tomou conta da equipa após a 10.ª jornada. Até aí, não é que o Rio Ave estivesse a fazer um mau percurso, mas depois da vitória sobre o Sporting (3-1, 5.ª jornada) a equipa bloqueou, perdendo com Paços de Ferreira (2-1), Estoril (1-2), Guimarães (0-3) e Boavista (1-2), com um empate em Moreira de Cónegos (1-1 fora) pelo meio. Dito de outra forma, eram três derrotas consecutivas em casa, e a paciência dos dirigentes vila-condenses esgotou-se. A mudança de treinador teve resultados imediatos, com o Rio Ave a vencer quatro encontros de enfiada – Setúbal (0-1), Tondela (3-1), Arouca (0-2) e Nacional (2-1) –, antes de novo período menos bom, no qual venceu apenas um jogo em nove – 1-0 frente ao Braga na jornada 19. A má fase atirou o Rio Ave para o 10.º posto.

Uma ligeira recuperação, pontuada por seis vitórias e dois empates nos últimos onze jogos, recolocou o Rio Ave na rota da Europa, mas os pontos até aí desperdiçados, aliados à resistência do Marítimo, não permitiram à equipa dos Arcos chegar mais acima. O Rio Ave ocupou em definitivo o sétimo lugar a partir da ronda 25.

Depois de três meias-finais consecutivas na Taça de Portugal, desta vez o Rio Ave caiu à primeira tentativa, eliminado nas grandes penalidades (4-2) pelo Santa Clara, após um empate a um golo nos 120 minutos. Na fase de grupos da Taça da Liga foram os critérios de desempate a virar as costas à equipa de Luís Castro. Por ter melhor diferença de golos, foi o Braga a seguir para as meias-finais da prova. Indigesto para o Rio Ave, que até venceu em Braga (1-2) na segunda jornada.

 

TREINADOR INICIAL

Nuno Capucho estreou-se como treinador principal na I Liga, resistindo dez jornadas e adicionando ao seu currículo um triunfo sobre o Sporting. A ressaca foi forte, traduzindo-se em cinco jornadas sem vencer, que lhe custaram o lugar.

 

PONTO ALTO

A vitória sobre o Sporting (3-1), na quinta jornada, parecia encaminhar o Rio Ave para mais uma época de grande nível, mas seria, como se leu acima, uma espécie de mini canto do cisne.

 

CONTABILIDADE

Liga NOS: 7.º lugar, 14v-7e-13d, 41gm-39gs, 49 pontos;

Taça de Portugal: afastado na 3.ª eliminatória pelo Santa Clara;

Taça da Liga: afastou o Chaves na 2.ª eliminatória (1-1, 3-1 gp); segundo classificado no grupo C (6 pontos), atrás do Braga, e à frente de Marítimo e Covilhã;

Liga Europa: afastado na 3.ª pré-eliminatória pelo Slavia Praga (0-0f, 1-1c).

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 12:00

Sábado, 21.01.17

Liga NOS, 18.ª jornada – FC Porto 4-2 Rio Ave FC – Com cabeça

Numa partida com seis golos e duas reviravoltas, é no mínimo estranho não se chegar ao final e bradar a quem quiser ouvir que se tratou de um dos grandes jogos da temporada. O Rio Ave cumpriu o prometido e não veio ao Dragão fazer figura de corpo presente nem estacionar o autocarro, enquanto o FC Porto tremeu antes de fazer valer o peso de um Dragão que Nuno Espírito Santo insiste em querer transformar numa fortaleza, mas faltou aquela dose de intensidade que transforma jogos como este em clássicos para a história.

Ainda não se tinha passado muito quando o FC Porto abriu o marcador (18’), num cabeceamento de Felipe, na sequência de um livre lateral batido por Alex Telles. O central estava em fora-de-jogo, mas o carácter milimétrico do adiantamento torna admissível as eventuais dúvidas que o juiz de linha possa ter tido. Poucos minutos mais tarde Diogo Jota poderia ter duplicado a vantagem portista, ao aparecer solto em frente ao golo, mas o seu remate bateu com estrondo na trave, gorando-se assim a oportunidade. Com o Rio Ave a procurar estender o seu jogo, e sendo orientado por Luís Castro, técnico que iniciou a temporada ao comando do FC Porto B, decerto que os vila-condenses conheciam alguns segredos dos dragões. Aproveitando um certo conformismo do adversário, o Rio Ave equilibrou o jogo, mas chegaria ao empate num golpe de sorte (35’). Pressionado por Layún junto à lateral, Gil Dias tirou um cruzamento paradoxal; foi tão mau que acabou por sair muito chegado à baliza, apanhando todos desprevenidos. Casillas só conseguiu defender para a frente, onde apareceu Guedes para encostar.

Um potencial escândalo pareceu possível ao minuto 49, quando Roderick converteu com sucesso uma grande penalidade cometida por Layún sobre o mesmo Gil Dias – de regresso após lesão, o mexicano esteve particularmente desastrado, sendo substituído aos 56 minutos, já amarelado, talvez para evitar uma expulsão. O FC Porto não demoraria muito a anular a desvantagem. Corria o minuto 55 quando Marcano, também de cabeça, igualmente após livre lateral de Alex Telles, fez o 2-2. Rui Pedro já estava pronto para entrar e o golo não fez Nuno mudar de ideias; o avançado foi mesmo a jogo, para o lugar de Layún. A reviravolta também não se fez esperar (62’), coroando a melhor fase do FC Porto no jogo. Novamente num livre lateral, Alex Telles completou um hat-trick de assistências graças ao cabeceamento de Danilo Pereira – um dos melhores em campo – junto à pequena área. O Rio Ave não desistiu de tentar novo empate, mas já não conseguiu ser tão expansivo como anteriormente, e veria mesmo o FC Porto chegar aos dois golos de vantagem (88’), por Rui Pedro. Era o póquer portista em cabeceamentos, apesar de o gesto do avançado não ter sido o melhor.

Confirmando a tendência geral no campeonato, enquanto visitado o FC Porto voltou a fazer das fraquezas forças, ainda para mais perante um adversário que justificou plenamente os dois golos que leva para casa. Ainda assim, é bom manter as cautelas; o FC Porto venceu mas não deslumbrou, e ainda não mostrou consistência suficiente para fazer crer que não estará mais um empate ao virar da esquina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 20:00

Sexta-feira, 12.08.16

Liga NOS, 1.ª jornada – Rio Ave FC 1-3 FC Porto – É como acaba

Quem viu os primeiros minutos oficiais deste FC Porto dificilmente ficou satisfeito. A intensidade era pouca, o rasgo também. A baliza, tanto a do Rio Ave como a do próprio FC Porto, eram como que um pequeno ponto lá longe no horizonte. Durante esse tempo, o jogo foi como que um remake de muitas noites da temporada passada, em que à falta de melhores ideias, o FC Porto se ia deixando enredar pelo adversário, como se estivesse à espera de que algo caísse do céu. Até que, à semelhança de diversas ocasiões em 2015/16, caiu mesmo, mas onde os dragões menos desejariam: na sua baliza.

Na cobrança de um canto, Marcelo escapou à marcação de Felipe e cabeceou cruzado para o primeiro golo desta edição da Liga NOS (36’). Era o ingrediente que faltava para que os adeptos dos azuis-e-brancos levassem as mãos à cabeça e vissem passar à frente dos olhos todo o filme do pretérito ano. Se já era claro, tornou-se inequívoco que Felipe ainda não entrou no ritmo do jogo europeu; o futebol que se pratica por cá está longe da vertigem, por exemplo, do futebol inglês, mas o central brasileiro ainda precisa de adaptar o seu chip.

O filme de terror dos portistas durou apenas quatro minutos. Corona foi mais forte no corpo-a-corpo com o central vila-condense e finalizou em beleza, sem deixar a bola cair, após cruzamento de Alex Telles que ressaltou num adversário antes de André Silva endossar, de cabeça, ao mexicano. O FC Porto foi subindo de rendimento a partir daqui. Sete minutos após o reatamento, Herrera assinou um belo golo, num remate colocado, e à passagem da hora de jogo André Silva picou o ponto, na recarga a uma grande penalidade desperdiçada pelo próprio, que permitiu a defesa, ainda que incompleta, a Cássio.

Marcelo foi expulso no lance da grande penalidade, e Alex Telles acompanhá-lo-ia no banho antecipado aos 65 minutos, quando viu um segundo cartão amarelo, talvez por excesso de zelo do juiz da partida. Nuno Espírito Santo recompôs a defesa retirando Otávio para fazer entrar Layún, mas o jogo cairia de intensidade a partir deste momento. Com uma novidade: o FC Porto controlou as operações sem problemas de maior, ao ponto de se dar ao luxo de refrescar o ataque, dando minutos ao reforço Depoitre, que ainda apalpa terreno enquanto jogador do FC Porto, e também a Adrián López, que procura agarrar uma inesperada segunda oportunidade.

O FC Porto terminou o jogo com uma cara muito melhor que aquela que começou. Poderá ser um bom prenúncio, mas, naturalmente, é demasiado cedo para afirmar o que quer que seja. Era importante começar bem, e isso foi conseguido. Para que o texto não termine de forma abrupta, aqui ficam algumas curiosidades: Nuno Espírito Santo iniciou o seu percurso oficial no comando do FC Porto frente à equipa pela qual se estreou na I Liga como técnico, enquanto Nuno Capucho encontrou o antigo clube na sua própria estreia como treinador na liga principal. Os dragões saem de Vila do Conde com um triunfo por 1-3 pela quarta época consecutiva. O presente jogo copiou até a marcha do marcador verificada no encontro da temporada passada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:50



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2019

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031