Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO

Todas as fotografias neste blog encontram-se algures em desporto.sapo.pt, salvo indicação em contrário


Quarta-feira, 28.11.18

Liga dos Campeões, fase de grupos - FC Porto 3-1 FC Schalke 04 - Dois em um

FCPS04.jpgAinda falta disputar uma jornada, mas o FC Porto não só já sabe que estará no sorteio dos oitavos-de-final, como também já garantiu o primeiro lugar do grupo. A situação não é vulgar, uma vez que apesar de ser um dos clubes com mais presenças no quadro principal da Champions (23), esta é só a quinta ocasião em que vence o seu grupo. Principalmente para quem esteve no estádio, foi como se se assistisse a dois jogos diferentes num só; a uma primeira parte, grosso modo, entediante, sucedeu um reatamento bem mais mexido, ainda que as despesas tenham sido assumidas quase na totalidade pelo FC Porto. A etapa inicial resume-se, portanto, a dois bons remates de Danilo Pereira (15') e Marega (19') para defesas vistosas de Fährmann. Já os primeiros vinte minutos do segundo tempo justificaram o triunfo portista, à conta de um futebol mais intenso, mais decidido e, mais importante, com golos. O marcador abriu à passagem do minuto 52, momento em que Corona bate um canto para a quina contrária da área, onde Óliver recebe, ajeita e cruza para a cabeça de Éder Militão, que colocou a bola junto ao poste para o seu primeiro golo pelo FC Porto. O Schalke quis reagir de imediato. Na sequência da bola ao centro Konoplyanka aproximou-se da área e rematou bem, mas Casillas defendeu. Era o primeiro remate dos alemães à baliza portista (53'), e constituiu uma excepção ao sufoco a que os dragões sujeitaram os Königsblauen. Recuperando a bola mais alto, o FC Porto fazia com que o jogo praticamente não saísse dos últimos 40 metros e o segundo golo não se fez tardar. Embora aquela zona do campo estivesse bastante povoada, Brahimi e Corona encontraram espaço para tabelar entre si pela direita, junto à área, com o mexicano a encontrar um espaço e a rematar para o 2-0 (55'). Stambouli ainda tentou cortar, mas mais não fez que confirmar o golo. A pressão portista continuou a dar frutos. Felipe - imagine-se - tentou um pontapé de bicicleta que acertou em cheio na trave (59') e Óliver picou sobre a barreira um livre directo para a entrada de Corona, que rematou pouco ao lado (63'). Só aqui o jogo abrandou, aproximando-se daquilo que tinha sido a primeira parte, mas aqui isso já é entendido como gestão de esforço. O Schalke, que tinha mantido as suas intenções bem escondidas até próximo do intervalo, altura em que começou a retardar algumas reposições de bola, mostrava-se agora resignado com o evoluir dos acontecimentos, e só acordaria na recta final, ao ser bafejado por uma grande penalidade por mão de Óliver (89'). Bentaleb converteu e deu um ligeiro ânimo para ainda tentar um último esforço pelo empate, mas quem marcou foi mesmo o FC Porto (90'+4'). Casillas cobrou um livre junto à sua própria área, Nastasic aninhou-se para cortar de peito, mas fê-lo mal e deixou a bola à mercê de Otávio, que logo desmarcou Marega, com o maliano a picar a bola à saída de Fährmann.
Uma vez que o resultado do outro encontro do grupo - finalizado antes que este começasse - ofereceu o apuramento tanto ao FC Porto como ao Schalke, o jogo terminou em ambiente de boa disposição. Foi, de resto, uma noite em que fora das quatro linhas se viveram momentos poucas vezes vistos no futebol de alto nível. As duas equipas ficaram no relvado e fizeram em simultâneo a rodinha, antes de uma pequena volta de honra para agradecer aos espectadores - o Schalke agradeceu apenas na direcção dos seus adeptos, claro. Além de preencherem metade da arquibancada nascente, os apoiantes do Schalke fizeram questão de contribuir positivamente para o ambiente. Na primeira parte aproveitaram o habitual chamamento ao desafio entre os dois topos do estádio para gritar "Schalke", e com isso contagiar as restantes bancadas; mais tarde, foi a vez de cantarem qualquer coisa ao mesmo ritmo da mais recente música do FC Porto, mas terminando com "Schalke" em vez de "Porto". E mais uma vez o estádio cantou a uma só voz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:59

Terça-feira, 18.09.18

Liga dos Campeões, fase de grupos - FC Schalke 04 1-1 FC Porto - Suado

S04FCP.jpg

A Liga dos Campeões, habitualmente um paraíso do bom futebol, por uma vez não o foi. Enquanto o FC Porto acabou por não se galvanizar por estar na casa onde em 2004 se sagrou campeão europeu, o Schalke não conseguiu dar um pontapé na série de derrotas que o acompanha desde o arranque da Bundesliga. O resultado foi uma partida disputada predominantemente a meio-campo, com poucas oportunidades de golo e pouco fio de jogo de parte a parte. Numa frase, mais luta que futebol. Poderia não ter sido assim, mas o FC Porto não aproveitou a melhor oportunidade que teve durante o primeiro tempo, no caso uma grande penalidade por mão de Naldo (12'); na cobrança Alex Telles até nem atirou mal, mas o guardião Fährmann adivinhou o lado e defendeu. Não abrindo aí o marcador, o próprio jogo também não abriu. O futebol escorreito, esse, terá aparecido apenas por uma vez, no lance do golo do Schalke (63'). Curiosamente, esse golo começa num canto a favor do FC Porto, o qual foi batido atrasado para Herrera. No enfiamento da área, o mexicano tentou fazer qualquer coisa que não se sabe bem o que era e daí nasceu um contra-ataque ao melhor estilo alemão. Ultrapassando as linhas do adversário como um TGV, os Königsblauen num ápice fizeram a bola chegar a Embolo, que finalizou a contar. Alex Telles e Corona estavam a fechar a baliza mas ficaram à espera que o outro tomasse a iniciativa de se lançar num corte de última instância. A bola entrou tão devagar que é impossível não achar que qualquer um deles tinha hipótese de salvar o lance. Essa hesitação talvez seja reflexo da menor intensidade com que se joga em Portugal, em comparação com as ligas de topo. Uma questão que fica para debater noutra oportunidade. Certo é que o FC Porto se via a perder num jogo em que não estava a mostrar a sua melhor cara. Pouco antes do golo Sérgio Conceição tinha feito uma substituição difícil de entender, ao tirar Aboubakar para meter Corona (60'). Só um problema físico poderia motivar a troca. De outra forma, era como uma mensagem para a equipa tentar segurar o nulo. O que poucas vezes resulta, muito menos na Liga dos Campeões. Até que o milagre - ou quase - aconteceu: uma nova grande penalidade bafejou os dragões (74'), esta mais discutível que a primeira. Há um toque no pé de Marega, mas é pouco crível que tenha sido suficiente para derrubar o maliano. Talvez um árbitro do norte da Europa tivesse deixado passar o lance, mas o espanhol Gil Manzano não deixou. Desta vez foi Otávio a bater e não falhou (75'), salvando assim um ponto justo, mas muito suado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:50



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2019

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031