Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CORTE LIMPO


Quarta-feira, 10.12.14

Liga dos Campeões, grupo H – FC Porto 1-1 Shakhtar Donetsk – Felizmente houve golos

Com tudo decidido para os dois clubes, e com a perspectiva de poupanças para o importante compromisso que se segue, havia aviso laranja de jogo com poucos motivos de interesse, e as piores perspectivas confirmaram-se. Alinhando com praticamente uma equipa B, o FC Porto jogou a meio-gás, colocou-se a jeito para perder o encontro, mas acabou por empatar já com a meta à vista, impedindo o Shakhtar de pela primeira vez derrotar os dragões nas competições da UEFA.

Andrés Fernández, Ricardo, Evandro, Aboubakar e Adrián foram todos titulares. Pela lógica seria uma boa oportunidade para os menos utilizados brilharem num palco como a Liga dos Campeões. Por outro lado, tratando-se de quase metade da equipa, tornava-se expectável que colectivamente não tivessem os mecanismos que os mais utilizados aos poucos começam a desenvolver.

E foi realmente isso que aconteceu. Nem o golo do Shakhtar (51’), por Stepanenko num cabeceamento em antecipação na sequência de um canto, quebrou a modorra geral da equipa. Só depois do míssil de Aboubakar (87’) os azuis-e-brancos se moralizaram ao ponto de ainda criarem um par de lances perto da área dos ucranianos, mas o empate permaneceria. Até a plateia, que se mostrara condescendente ao longo de todo o jogo, se galvanizou.

Apesar do futebol pouco intenso, terão ficado golos por marcar, primeiro pelo Shakhtar, com Gladky a falhar o desvio para a baliza aberta, e já na segunda parte por Martins Indi, que cabeceou à trave. O empate final, que se ajusta ao que foi o jogo, permitiu a todos irem felizes para casa. A única nota negativa é a lesão de Ruben Neves, que o afasta do clássico com o Benfica.

O FC Porto passa à fase a eliminar com respeitáveis quatro vitórias, dois empates e cinco golos de Jackson Martínez, e ainda bateu o seu recorde de triunfo mais volumoso na prova. O que não faz esquecer um detalhe: a equipa não foi verdadeiramente testada até agora. Terá este FC Porto pedalada para ultrapassar, por exemplo, Arsenal ou Manchester City?

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:20

Terça-feira, 30.09.14

Liga dos Campeões, Grupo H – Shakhtar Donetsk 2-2 FC Porto – Natal antecipado

Foi um jogo estranho. Praticamente não houve oportunidades de golo mas marcaram-se quatro. O Shakhtar não foi superior mas esteve a vencer por 2-0. E o FC Porto chegou ao empate quando parecia já ter gasto todas as fichas. A igualdade acaba por ser, portanto, um mal menor.

A surpresa entre os titulares foi Vincent Aboubakar. Talvez não fosse o melhor dos jogos para fazer rotação numa posição tão essencial como o ponta-de-lança, mas é possível que Lopetegui tenha pensado que o camaronês fosse uma opção mais adequada quando do outro lado estava uma defesa com dois ucranianos e um croata.

Aboubakar mostrou o seu poderio físico em diversas ocasiões, mas esteve um tanto ou quanto desacompanhado quando teve a bola e por isso pouca diferença conseguiu fazer. Na conferência de imprensa pós-jogo o treinador do FC Porto justificou a opção com a incapacidade de Jackson fazer os 90 minutos. Questão da titularidade encerrada. Aberta ficou outra questão: quantas mais titularidades terá Aboubakar no futuro? O jogador cedeu o lugar a Jackson Martínez aos 65 minutos e o colombiano acabaria por resgatar o ponto que o FC Porto traz da Ucrânia.

Mas já lá vamos. Antes disso, o FC Porto viu a face da derrota bem de perto. Não é que o Shakhtar tenha sido superior, como se escreve no início do texto, e o jogo até foi muito semelhante ao de Lille, sem futebol de encher o olho, sem emoção desmedida, e sem domínio claro de uma equipa sobre a outra.

A melhor oportunidade do primeiro tempo foi mesmo a grande penalidade que Brahimi desperdiçou aos 35 minutos, permitindo a defesa a Andriy Pyatov. Não é crível que este lance tenha sido fundamental para a história do jogo. O FC Porto não ficou em vantagem, mas também não se desnorteou.

Na segunda metade pouco se alterou. Os quatro brasileiros do ataque do Shakhtar não estavam numa noite particularmente inspirada – o mais interventivo dos mineiros era mesmo o lateral-esquerdo Márcio Azevedo –, as linhas defensivas continuavam coesas, e o ataque dos dragões também não estava a criar perigo.

A diferença ficaria marcada na assertividade dos jogadores do Shakhtar, que lhes permitiu aproveitar da melhor forma os erros do FC Porto. O primeiro a dar uma prenda foi Óliver. O jovem espanhol já tinha brincado com o fogo na primeira parte, mas não aprendeu, e voltou a querer jogar sozinho no lado esquerdo da área portista, gingando para um lado e para o outro na tentativa de se desenvencilhar de um adversário.

Só que o adversário em questão era, imagine-se, o central Oleksandr Kucher, que à beira de Óliver é um gigante. O ucraniano impôs a sua corpulência, roubou a bola e deu-a a Alex Teixeira, que marcou.

Talvez fosse mesmo Natal antecipado, já que o Shakhtar chegou ao 2-0 após uma atrapalhação de Maicon, que se terá queimado com a bola e não a dominou em condições. Os ucranianos – brasileiros, aliás – aceitaram a nova prenda e Luiz Adriano facturou a passe de Bernard.

85 minutos de jogo. Resultado encerrado? Não. É aqui que Jackson Martínez mostra ao treinador quem deve ser o dono do lugar. Assumindo a conversão de uma grande penalidade indiscutível por mão na bola, o colombiano trouxe o FC Porto de volta ao jogo; e em cima do soar do gongo correspondeu a um cruzamento após uma arrancada já trademark de Tello e desviou para golo, ficando caído após o remate. Estará Lopetegui a falar verdade quando diz que Jackson não estava em condições? Não é do seu timbre fingir lesões…

A encerrar, uma nota. Não há problema nenhum em Aboubakar ter sido titular. Fez o seu trabalho e não comprometeu. Mas Jackson é melhor. E mostrou-o.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Miran Pavlin às 23:45



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2019

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031